Segunda temporada do podcast Prato Cheio está chegando, ouça a primeira temporada e colabore


Publicado em 27/05 às 17h

Por João Peres – O Joio e o Trigo

          Parece que faz anos, mas foram apenas quatro meses desde que lançamos nosso podcast. E, cá entre nós, se tudo der certo faltam apenas dois para o começo da segunda temporada do Prato Cheio.
Para isso, precisamos da sua ajuda.

          Estamos com uma campanha de arrecadação aberta no Catarse. E em vias de concretizar uma importante doação que nos ajudará a manter de pé esse projeto (esperamos em breve poder contar os detalhes). Mas, ainda assim, faltarão R$ 17 mil para fechar a conta. 

         (Aliás, é importante abrir um parênteses para agradecer a doação da Fundação Heinrich Böll, sem a qual a primeira temporada não existiria).

         Quando definimos os temas dessa primeira leva, lá em dezembro, Covid-19 era uma expressão inexistente no vocabulário. E, ainda assim, olhando para trás, vemos que tratamos de uma série de assuntos que fazem mais e mais sentido diante do maior desafio de nossas gerações. 
         Começamos o Prato Cheio falando sobre um dos grandes problemas de nossos tempos: as doenças crônicas, que causam a maior parte das mortes em países como o Brasil. Abordamos as evidências científicas que associam alimentos ultraprocessados a essas enfermidades, justamente um claro agravante dos casos de Covid-19.

          Ao final de 14 episódios, a entrevista com a chef Paola Carosella trouxe um recado claro ao declarar que a comida do futuro deve ser a comida do passado. Nada de invenções mirabolantes. Como dissemos no nosso terceiro capítulo, sobre cultura alimentar, é preciso promover um resgate profundo dos sistemas alimentares tradicionais. E nada de superalimentos, nem mesmo para se prevenir da Covid-19, como já falávamos lá no quinto episódio, uma semana antes do início da quarentena. 

          Em fevereiro contávamos sobre como o Brasil estava numa pegada firme para voltar a fazer da fome um problema central. Já sabíamos da insensibilidade social da dupla Bolsonaro-Guedes, mas não imaginávamos que chegaria tão longe. 

         Nossa equipe se desdobrou logo no começo da quarentena para não só manter o podcast no ar, como adaptar toda nossa programação. Dando conta do nosso trabalho puxado no Joio, elaboramos cinco episódios que abordaram alguns dos principais temas relacionados à pandemia. E olha que não é fácil escolher o que é e o que não é importante diante de uma situação sem precedentes. 

         Abrimos essa minitemporada temática dentro da temporada falando sobre o desmonte promovido por Bolsonaro na área de alimentação, um problema que se tornou mais e mais evidente à medida que se agravou o quadro econômico e social do país.

         Contamos como as grandes redes de supermercados haviam se transformado no espaço predominante de compras, e os problemas que isso acarreta – semana passada, Carrefour e Pão de Açúcar não esconderam a euforia diante de resultados expressivos. Falamos sobre a dificuldade de agricultores e pescadores em aguentar a bronca. E terminamos com um episódio duplo no qual apontamos para o futuro.
          Esperamos que no futuro breve, lá em julho, quando nos reencontrarmos, a situação esteja melhor para todos nós. Nada aponta nesse sentido, infelizmente, mas de nossa parte nos mantemos firmes e concentrados na busca por informação de qualidade e relevante para a nossa sociedade. Você pode continuar nos encontrando nos textos e nas redes sociais do Joio

          Se sua situação econômica permitir, ajude a colocar de pé a segunda temporada. No Prato Cheio, a indústria de comida-porcaria não conta história para boi dormir. Para nós, publicidade disfarçada de filantropia é publicidade, e ponto. E os causadores do problema não têm o direito de se portar como líderes das soluções. Nem adotamos uma falsa isenção, convocando para o debate pessoas que espalham mentiras. Temos clareza de que nossa parceria é com você.