Conheça melhor a Frente de Trabalho Anticorpos Agroecológicos e colabore na expansão da rede!


Publicado em 27/05 às 17h

Por Carol Ramos - MUDA-SP

 

          A Frente de Trabalho Anticorpos Agroecológicos surge em meio a atual pandemia para amparar a demanda de alimentos saudáveis pelas comunidades vulneráveis afetadas pela crise sanitária e econômica que acompanham o contágio da doença.

          Nascida da integração dos movimentos sociais, grupos de consumo responsáveis e dos coletivos de agricultura urbana, a Anticorpos elaborou um sistema bem simples para viabilizar a conversão de dinheiro doado em alimentos.  Convidamos agora todos os bairros a fazer o mesmo! Isto é: formar núcleos e replicar o nosso modelo de forma independente no intuito de dinamizar as doações para que elas cheguem até as comunidades de maneira rápida e com baixo custo logístico.

          O que faz cada núcleo da Frente Anticorpos? Basicamente, a Frente Anticorpos faz um banco de dados (com comunidades vulneráveis, doadores de dinheiro, agricultores e carretos) e também faz o agendamento com as partes para orquestrar a doação.

          Primeiro, este banco de dados pode ser organizado em uma simples planilha onde estão listadas as comunidades por ordem de urgência. A segunda coisa é listar os pequenos agricultores e os carretos por proximidade geográfica das comunidades vulneráveis, visando o menor gasto de combustível no frete e a integração pela amizade no território.

          Facilita também associar o custo da doação com o custo do frete, assim, os valores similares otimizam o acerto de contas.

           A manutenção da planilha é um mecanismo de transparência fundamental, pois possibilita que qualquer doador saiba exatamente para qual agricultor e qual comunidade foi doado o seu dinheiro.

           Algumas vezes conseguimos alimentos doados, mas não temos quem faça o frete voluntariamente, então consideramos que o dinheiro da doação deve ser usado para remunerar fretes na ausência de voluntários motorizados.  O trabalho de frete é feito por entregadores independentes, que também precisam sustentar suas famílias.

           A doação mínima que oferecemos às comunidades é de 6/7 caixas (120 kg) de alimentos frescos/agroecológicos para cada comunidade – uma espécie de complemento a cesta básica. O custo médio desta doação é de R$ 250/300 para os agricultores e  R$ 150/200 para o frete-combustível-pedágio. Às vezes surgem ofertas melhores, mas é objetivo desta frente remunerar justamente agricultores e motoristas contratados, recusando a exploração que leva a extorsão de seu trabalho.  Por isso propomos que as doações em dinheiro sejam feitas em valores de R$ 50, R$ 100, R$ 150... R$ 300... etc.

 

         Contribuições financeiras devem ser realizadas através das contas bancárias a seguir:

 

Itaú – Lucas Blaud Ciola / AG 0444 / Conta Poupança 10484-8/500 / CPF 337.167.618-85 

Banco do Brasil - Lucas Blaud Ciola / AG 4055-0 / Conta Corrente 18.674-0 / CPF 337.167.618-85

Bradesco - Sharon Werblonksky / AG 2884 / Conta Poupança 0050820 / CPF 310.788.158-95

Enviar comprovantes para Lucas – 11/97617-8842 ou Sharon - 11/98758-9118

 

        Seja parte dessa iniciativa transformadora e colabore para a conquista de uma sociedade resiliente e fortalecida para superar desafios. Agradecemos e seguimos gerando anticorpos com a agroecologia!