Vamos semear um futuro de amor à vida e seguir os passos de nossa eterna mestra Ana Primavesi


Publicado em 23/01 às 09h

Por Susana Prizendt - C. P. C. A. P. V. e MUDA-SP

Embora a forma como dividimos o tempo, numerando dias, meses e anos, seja apenas uma convenção, criada pela nossa sociedade para facilitar as relações entre seus integrantes; no mundo da natureza existem ciclos reais, que norteiam a nossa existência.

Ana Maria Primavesi completou, no dia 5 de janeiro de 2020, um ciclo vital, praticamente centenário, no nosso cotidiano coletivo na terra. Logo após a virada do ano de 2019, um ano tão intempestivo no setor ambiental, para o ano de 2020, a nossa grande mestra da Agroecologia se despediu de nós, do ponto de vista da matéria física, e passou a nos habitar de um outro modo, através dos imensos conhecimentos e do amor à vida que nos deixou como legado, ao longo de sua trajetória visionária.

Começamos então um novo ano, um novo ciclo, inspirados por esse conjunto de saberes e sentimentos que ela nos legou. Sabemos que não será um ano fácil: crises econômicas, ampliação da violência e da intolerância, poluição ambiental e destruição dos nossos ecossistemas, estão entre os muitos problemas a serem enfrentados em 2020.

Mas, ao olharmos para a trajetória de vida da Dra. Ana, podemos perceber quantos períodos de desafios intensos ela vivenciou e superou, sempre buscando forças no seu amor ao solo. Guerras, mudanças de país, perda de entes queridos, preconceitos em sua atuação profissional... Foram tantas as situações dramáticas que podemos ter um panorama do século XX e início do século XXI, através da observação da história dessa mulher pioneira, que atravessou dez décadas com um vigor impressionante.

E, além desses exemplos de superação pessoal, nossa professora Ana nos legou uma experiência ainda mais revolucionária: podemos restaurar a fertilidade do solo e, com essa restauração, trazer de volta a biodiversidade e o equilíbrio ambiental perdidos pela ação destrutiva dos seres humanos sobre tantos territórios.

Sim, o solo é vivo, ela nos ensina, mas é preciso compreender como ele se estrutura para agir de modo a favorecer a vida que nele há. Em seus estudos e experiências práticas, Dra. Ana construiu um amplo e profundo conjunto de conhecimentos para que esse elemento vital do planeta fosse compreendido, amado e devidamente estimulado, em suas capacidades de gerar a vida.

Se, atualmente, vivenciamos um cenário socioambiental de duras adversidades, com a ameaça do comprometimento da sobrevivência da própria espécie humana no planeta, temos que lembrar que o solo é a nossa base. Revitalizá-lo é imprescindível para a criação de um novo modo de nos relacionarmos entre nós mesmos e com os demais elementos da natureza. “Solo sadio, planta sadia, seres humanos sadios”, ensina nossa mestra.

No último dia 12, o Globo Rural veiculou um vídeo em homenagem a ela em que relembra seus muitos saberes. Saberes que, aliados à sua grande generosidade e à sua busca incansável de uma sociedade mais solidária, fizeram da vida de nossa Dra. Ana um exemplo de humanidade em plenitude, gerando um conjunto de realizações valiosíssimas!

Como escreve Vírginia Knabem, sua biógrafa, no livro Ana Maria Primavesi, Histórias de Vida e Agroecologia: “Convidada pelo MST, Ana participou diretamente, com palestras, assessoria técnica e encontros de agroecologia, e também indiretamente, por meio de seus livros, elaborando cartilhas e dando entrevistas. Sua contribuição científica proporcionou às pessoas ligadas ao movimento a base sobre a qual puderam, em muitos pontos do país, organizar escolas de agroecologia e desenvolver experiências práticas que lhes proporcionassem autonomia: tornavam-se mestres de si mesmos, conhecedores do saber fazer”. Desse modo, ela seria sempre recebida com alegria por agricultores e agricultoras que orientou, ganhando alimentos que eles cultivaram de forma agroecológica, já que “agora Com Terra podiam seguir em frente.”

Que possamos acolher seus ensinamentos, nos inundarmos com sua força e seu amor à vida e sermos suas sementes a germinar vigorosamente no percurso transformador rumo à Agroecologia.

Viva 2020, viva nossa querida mestra Ana Maria Primavesi!