Porto Alegre também aprova lei que garante merenda orgânica nas escolas municipais


Publicado em 22/11 às 14h

Por Carol Ramos MUDA SP 

Depois de São Paulo, a capital gaúcha é quem protagoniza mais um avanço para os orgânicos no país e acaba de conquistar a garantia de uma merenda mais saudável em suas escolas, através de uma lei. Fruto da grande mobilização de Marcelo Sgarbossa (PT), autor da proposta, junto com o Coletivo Cidade Mais Humana, da rede Minha Porto Alegre, a luta que ele encabeçou foi reforçada pela população. Durante a campanha, a população tirava fotos com o cartaz #SancionaFortunati, pressionando o Prefeito José Fortunati. A Lei 12.125, aprovada,  obriga o Executivo Municipal a adquirir produtos orgânicos para serem incluídos no cardápio da merenda escolar dos estabelecimentos da rede municipal de ensino. 

O texto definiu percentuais para a compra de alimentos livres de agrotóxicos: 10% a cada ano até chegar a 50% a partir do quinto ano de vigência da lei. Agora, a população deve manter-se mobilizada, para fazer a lei não ficar apenas no papel e cobrar do Executivo uma merenda mais saudável às crianças e incentivos aos agricultores que querem ou já produzem alimentos orgânicos.

Primeira cidade a aprovar a merenda orgânica, em 2015, São Paulo deu o exemplo para as demais, não só promovendo o acesso a uma alimentação mais saudável como também discutindo a importância do combate ao uso de agrotóxicos na produção de alimentos; o Brasil ainda é o maior consumidor de venenos do mundo, com uma assustadora média de 5,3 litros por pessoa/ano. Pesquisas mostram que agrotóxicos causam Alzheimer, Autismo, Anencefalia (defeito de nascimento), intolerância ao glúten e doença celíaca, doença crônica nos rins, problemas hormonais, depressão, diabetes e vários tipos de câncer, entre outras.



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS