Para termos um país saudável é fundamental nutrir nossas crianças para que assimilem os saberes


Publicado em 21/01 às 10h

Por Conceição Trucom – DoceLimão

Após assistir a um ótimo vídeo-entrevista, senti-me bastante fortalecida quanto ao que penso, quando se discutem as metas sócio-econômicas de uma nação. O Brasil é historicamente um país de graves diferenças sociais, econômicas e culturais. A saúde, a educação, a economia e a segurança encontram-se em absoluto caos neste país.

É certo que precisamos pensar em curto, médio e longo prazos. Também, expandir as perspectivas, nosso olhar, para evitar somente soluções imediatistas, que não resolvem o futuro do Brasil de forma assertiva e duradoura.

Considero o pensamento deste médico pediatra dr. Abel Albino (e seu mestre dr. Fernando Mönckeberg) absolutamente lúcido, profissional e ao mesmo tempo generoso. Por que não se pode colher em solos que não foram semeados, nem mesmo de solos que apesar de semeados, não apresentam condições de germinar e brotar sementes.

Na nutrição tem um postulado que aprecio muito: Mais importante que nutrir-se, é assimilar.

Então, uma política que valorize uma alimentação e nutrição de qualidade, bem implementada, monitorando para que ocorra uma excelente assimilação, irá viabilizar a saúde plena, inclusive do cérebro, portanto o aprendizado e as realizações pessoais em todas as áreas do conhecimento e da existência humana.

Em paralelo, é fundamental políticas atentas e dedicadas, que aumentem a qualidade de vida de todos, via saúde pública, educação pública... Implementadas para todos os cidadãos brasileiros, mas na essência, é PRIMORDIAL dar essa assistência a TODAS AS CRIANÇAS BRASILEIRAS, ou às que neste país habitam.

E eis que assim surgirá uma nação potente, porque sua população assim o será!

Cabe aqui uma reflexão de Aristóteles**:

A alegria que se tem em pensar e aprender faz-nos pensar e aprender ainda mais, mas para tanto é preciso ter um cérebro!



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS