Vamos Mudar?


Publicado em 30/10 às 11h

Restaurante da 32a. Bienal prioriza o reino vegetal e produtos agroflorestais
Por Carol Ramos MUDA SP

A edição atual da Bienal, cujo tema é Incerteza Viva, inovou na proposta gastronômica, integrando a experiência da alimentação com a arte. Elaborada pelo artista Jorge Menna Barreto, que pesquisa agroecologia e sistemas agroflorestais, a obra-restaurante ganhou o nome Restauro e é uma escultura ambiental, que oferece ao visitante uma experiência não só gastronômica mas também socioambiental, visual e sonora. 

Sentado em mesas coletivas rodeadas por mudas, alimentos que brotam, lousas com conceitos do universo agroecológico e até um áudio de agricultores falando e trabalhando, criado pelo artista Marcelo Wasem, o público tem a chance de alimentar-se reconectando-se com a origem e o ciclo do ingrediente e de seu seu impacto ambiental. A cenografia, desenvolvida pelo coletivo O Grupo Inteiro, pensou no projeto espacial e no que o artista chama de "microclimas", uma relação entre o espaço e a experiência do comensal.

No calendário do Restauro, acontecem encontros pontuais para falar sobre alimentação com foco em segurança alimentar e nutricional e sustentabilidade, como uma roda de conversa com o Projeto Rede Juçara, por exemplo, que tem como foco o uso sustentável da Palmeira Juçara como estratégia para conservação da Mata Atlântica.

O cardápio, desenvolvido em parceria com a chef Neka Menna Barreto e a Escola Como Como de Ecogastronomia prioriza o reino vegetal e produtos agroflorestais e orgânicos: curry de legumes, verduradas e risotos, molhos com castanhas, granolas salgadas e outras opções como os “Potes Paisagem”, que mudam a cada dia (creme de tofu, beterraba caramelizada, bifum com cenoura e folhas verdes, por exemplo).

A 32a. Bienal vai até o dia 11 de dezembro.



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS