Crianças Sem Terrinha dão exemplo de cidadania em seu primeiro encontro nacional


Publicado em 22/08 às 11h

Por Rafael Tatemoto  Brasil de Fato

 

O ato político de abertura do primeiro Encontro Nacional das Crianças Sem Terrinha, realizado de 23 a 26 de julho, em Brasília, teve como um dos principais temas a questão da educação no campo. No primeiro dia do encontro, chegaram as últimas delegações de crianças que vivem em acampamentos e assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Cerca de 1200 crianças, entre 8 e 12 anos, vindas dos 24 estados onde o MST atua, se reuniram no Parque da Cidade Sarah Kubitschek, que também contou com a presença de 400 educadores adultos, apenas para auxiliar as crianças, verdadeiras responsáveis pela condução das atividades.

No ato que abriu oficialmente o encontro, as crianças lembraram o histórico de criação do MST e os valores que regem a organização, como a luta pela terra e a solidariedade internacional entre os povos. Uma das principais preocupações do Movimento, a educação, foi a tônica do espaço.

Sara Carvalho de Sousa, que vive e estuda em assentamento no Espírito Santo, falou pelos sem terrinha. Ela denunciou o fechamento de escolas do campo, bem como a falta de recursos para a área. Ela destacou a possibilidade de trocar experiências com sem terrinhas de outros lugares do país.

“Esse encontro é um dos espaços criados pelo Movimento para nossa formação e educação. Estou muito feliz de estar aqui e poder lutar por nossos direitos, mas também brincar e conhecer outros colegas do Brasil inteiro. E ver como somos fortes juntos. Esperamos que esse encontro acenda uma chama que nos impulsione a seguir lutando”, afirmou.

O Encontro Nacional teve dois temas principais de debate: os direitos da criança e a alimentação saudável. Sousa afirmou ainda que a luta pela reforma agrária tem raízes históricas iniciadas com a colonização do Brasil. Mesma ideia apresentada por Deborah Duprat, integrante da Procuradoria dos Direitos do Cidadão.

“Nosso país começou já torto, com o homem branco invadindo as terras indígenas, escravizando, criando o latifúndio. Tudo que se conseguiu foi lutando a luta por direitos. Hoje, vocês trazem para cá, para Brasília, uma grande lição: que lutar não é uma coisa só de adulto”, disse.

O ato de abertura contou com a presença de representantes de partidos, sindicatos, movimentos populares de outros países e diplomatas. O deputado federal Nilto Tatto (PT-SP) destacou a importância de reunir crianças em um contexto político como o atual.

“O encontro de vocês é muito simbólico e significativo neste momento que estamos vivendo porque, através da brincadeira, com sonho e luta, vocês vão mostrar para todos nós, para o Brasil, o que vocês querem. Para que no futuro não tenha sem terra”, destacou.



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS