Cartilha explica com clareza como coletar, manejar e armazenar sementes florestais


Publicado em 20/07 às 11h

Por equipe ISA

 

A publicação Coletar, manejar e armazenar - as experiências da Rede de Sementes do Xingu é uma importante contribuição para a produção e manejo de sementes florestais nativas no Brasil, e que têm sido impulsionadas pela crescente necessidade de adequação ambiental das propriedades rurais. Seis capítulos ilustrados com mapas, desenhos em aquarela e infográficos sistematizam o caminho que a semente percorre, desde a coleta dos frutos feita por mais de 350 pessoas que integram a Rede até a precificação da semente.

Um DVD encartado na publicação traz cinco vídeos que retratam as diferentes experiências de coletores quanto às técnicas de produção de sementes e reflexões sobre a importância da atividade. Os filmes foram exibidos na última semana de julho, na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). Assista o primeiro dos cinco vídeos que compõem o DVD. Os outros serão colocados nas próximas semanas na página da Associação Rede de Sementes do Xingu.

A publicação já está na mão daqueles que vão usá-la no dia a dia. O primeiro lançamento foi no XI Encontro da Rede, na cidade de São Felix do Araguaia (MT), entre os dias 31 de julho e 02 de agosto.

O material foi organizado por alunos e professores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ), Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Instituto Socioambiental (ISA) e técnicos da Rede de Sementes do Xingu. Foram dois anos de trabalho de formação continuada junto aos indígenas, agricultores familiares, produtores rurais, pesquisadores e técnicos para reunir modos de fazer, trocas de experiências, inovações e tecnologias adaptadas. Em resumo, um feliz encontro entre conhecimento científico e saberes locais e tradicionais, fundamental para pesquisadores, técnicos e profissionais que atuam na cadeia de sementes.

 

Sobre a Rede de Sementes do Xingu

      
Uma rede de trocas e encomendas de sementes de árvores e outras plantas nativas da região do Xingu, Araguaia e Teles Pires, promovendo conhecimentos locais sobre uso e recuperação das florestas e cerrados do Mato Grosso. Desde a criação, em 2007, 119 toneladas de sementes foram comercializadas. Saiba mais



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS