BioNatur celebra 20 anos de resistência na produção de sementes agroecológicas


Publicado em 23/01 às 07h

Por Catiana de Medeiros  MST

Celebrar os 20 anos de resistência de um projeto que respeita a vida e promove a soberania alimentar foi um dos objetivos da Rede de Sementes Agroecológicas BioNatur ao realizar, em dezembro passado, uma grande festa no Assentamento Roça Nova, em Candiota, na região da Campanha do Rio Grande do Sul. O evento reuniu centenas de pessoas de mais de 20 estados brasileiros e de outros países, numa programação que envolveu desde debates, oficinas e apresentações culturais, até uma feira de produtos da Reforma Agrária e de movimentos populares amigos do MST.

A mesa de abertura foi composta por Alcemar Adílio Inhaia, presidente da Cooperativa Agroecológica Nacional Terra e Vida (Conaterra), que é responsável pela marca BioNatur; João Pedro Stédile, da Direção Nacional do MST; Ângela Cordeiro, engenheira agrônoma; e Adriano dos Santos, prefeito do município de Candiota.

Todas as manifestações evidenciaram a importância do trabalho desenvolvido pelas 200 famílias assentadas, que produzem em média 100 a 150 toneladas ao ano de aproximadamente 200 variedades de sementes varietais e crioulas no estado gaúcho e em Minhas Gerais.

Conforme Stédile, hoje, a BioNatur é referência nacional e internacional para o movimento camponês, e através da sua produção e apropriação de sementes, se tornou uma ferramenta de resistência consistente na batalha contra o capital e na promoção da soberania alimentar. “Ela se soma a outras experiências que há pelo Brasil afora e mostra que os camponeses como classe, os agricultores como profissão e os agrônomos como ciência e pesquisadores somente conseguirão derrotar o capital se controlarem as sementes e as mudas, porque esta é a base de todo o controle do processo produtivo de alimentos”, ressaltou.

Stédile destacou que a BioNatur é motivo de orgulho para o conjunto de trabalhadores do MST e que ter alcançado 20 anos de resistência, com muitas vitórias, e de enfrentamento ao capital tem um “valor inexplicável”. Segundo ele, agora é momento dos assentados se organizarem para espalhar iniciativas semelhantes pelo país. “Já que esta é a forma de resistir e avançar, temos que olhar daqui para frente. Quantas BioNatur, sem este nome, nós vamos espalhar pelo Brasil? Como vamos fazer nas outras regiões? Como vamos derrotar o capital por este caminho? Inclusive, temos que avançar mais sobre a produção de mudas e árvores frutíferas”, apontou.

Desafios da BioNatur

Em seus 20 anos de história, a rede BioNatur tem em seu legado o pioneirismo na produção de sementes agroecológicas e a referência nacional e internacional no desenvolvimento da cadeia produtiva. As famílias ligadas a ela produzem em cerca de 200 hectares, localizadas em 20 municípios e 18 assentamentos, diversas variedades de sementes de hortaliças, grãos, forrageiras e plantas ornamentais. Este patamar é resultado da tomada de consciência por parte dos agricultores sobre os diferentes projetos de agricultura, além de muita determinação para concretizar objetivos coletivos.

Conheça melhor essa iniciativa, divulgue em suas redes e ajude a preservar nosso patrimônio bioalimentar. Que em 2018, possamos ver mais guardiões de sementes surgindo e reforçando o trabalho tão importante que a rede BioNatur desenvolve!



ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS