Importância do ferro para mulher atleta


Importância do ferro para mulher atleta

Publicado em 15/10/2018 às 16:49



O atleta apresenta necessidades nutricionais diferenciadas, de acordo com a modalidade praticada, justificadas pelo maior requerimento de nutrientes para o músculo e demais funções orgânicas que são ressaltadas durante o exercício. Em casos de mulheres atletas, essas necessidades podem ser maiores, por conta das diversas alterações fisiológicas, incluindo as diferenças hormonais1-3.

O ferro é um dos nutrientes que ganha maior destaque no que se refere à mulher atleta. Este perfil pode ser explicado pelo aumento do estresse do treino – uma vez que a inflamação aumenta os níveis de hepcidina que compromete a absorção do ferro -, perdas hídricas, isquemia visceral, hemólise e o ciclo menstrual1-3.

Para enfatizar esta importância, um estudo realizado com mulheres submetidas a duas sessões de corrida – de 60 e 120 minutos - mostrou aumento significativo nas concentrações de hepcidina após as duas sessões. Este resultado também foi associado ao aumento de interleucina 6 (IL-6), dado que indica correlação positiva entre a inflamação e metabolismo de ferro. Assim, os autores concluem que exercícios de endurance podem afetar a absorção e utilização do ferro pelo organismo, sendo necessária avaliação de marcadores associados ao nutriente para melhora das funções orgânicas dependentes de ferro4.

Ainda, uma revisão sistemática que incluiu 19 estudos sobre o metabolismo de ferro em atletas identificou que mulheres que usam hormônios contraceptivos podem apresentar cinco vezes mais deficiência de ferro, em comparação aos homens atletas. Este dado é explicado pela atuação do hormônio estrógeno na estimulação da hepcidina, enquanto a testosterona – que pode estar reduzida com o uso de contraceptivos hormonais – promove inibição desta proteína, favorecendo a utilização do ferro em nosso organismo5.

Entretanto, um recente estudo realizado com atletas, que praticaram sessões de exercícios de alta intensidade, não indicou diferenças em mudanças de fatores associados ao metabolismo do ferro – como hepcidina e concentração plasmática do nutriente – de acordo com o gênero6.

Portanto, alteração no metabolismo do ferro pode ocorrer independente do gênero, sendo mais prevalente em mulheres atletas. Assim, é necessário ter cuidado na avaliação e no risco de anemia ou deficiência de ferro em todos os atletas, de acordo com as particularidades da modalidade praticada.  

Referências Bibliográficas:

1-ROSSI, K.A. Nutritional aspects of the female athlete. Clin Sports Med; 36(4):627-653, 2017.

2-MALCZEWSKA-LENCZOWSKA, J.; SITKOWSKI, D.; SURALA, O. et al. The association between iron and vitamin D status in female elite athletes. Nutrients; 10(2):E: 167, 2018.

3-PADLAR, C.R.; BRUGNARA, C.; BRUINVELS, G. et al. Iron balance and iron supplementation for the female athlete: a practical approach. Eur J Sport Sci; 18(2):295-305, 2018.

4-NEWLIN, M.K.; WILLIAMS, S.; MCNAMARA, T. et al. The effects of acute exercise bouts on hepcidin in women. Int J Sport Nutr Exerc Metab; 22(2):79-88, 2012.

5-DOMÍNGUEZ, R.; SÁNCHEZ-OLIVER, A.J.; MATA-ORDOÑEZ, F. et al. Effects of an acute exercise bout on serum hepcidin levels. Nutrients; 10(2):E209, 2018.

6-BAUER, P.; ZEISSLER, S.; WALSCHEID, R. et al. Acute effects to high-intensity exercise on hematological and iron metabolic parameters in elite mela and female dragon boating athletes. Phys Sportsmed; 46(3):335-341, 2018.


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS