Relação entre obesidade e problemas respiratórios: como a nutrição pode ajudar?


Relação entre obesidade e problemas respiratórios: como a nutrição pode ajudar?

Publicado em 04/10/2018 às 15:36



A obesidade é uma doença multifatorial, sendo correlacionada com diversos sintomas e doenças. Como exemplo, os problemas respiratórios são recorrentes em pacientes obesos, e esta correlação pode ser justificada pelo aumento do processo inflamatório, característico do ganho de peso excessivo1, 2.

Esta associação já foi observada em alguns estudos populacionais. Recentemente, uma análise que envolveu 16 coortes europeias indicou que crianças que apresentavam asma ativa – com sintomas evidentes no ano de análise – tinham maior risco de obesidade, quando comparadas às crianças que não apresentavam o diagnóstico de problemas respiratórios3.

Em outra análise, constatou-se que o ganho de peso durante o início da idade adulta foi associada ao aumento da obstrução de vias aéreas, interferindo nas funções pulmonares4.

Assim, o acompanhamento nutricional é de extrema importância para reduzir essas duas morbidades. Um estudo realizado com 87 crianças asmáticas e obesas mostrou que o aconselhamento nutricional por 18 meses - concomitante ao acompanhamento psicológico, mudança de estilo de vida e atividade física - melhorou funções pulmonares e, consequentemente, reduziu os sintomas respiratórios característicos da asma. Este estudo é de grande relevância clínica, por mostrar a importância do tratamento multidisciplinar em longo prazo, para resultados mais robustos5.

Vale ressaltar a importância da inclusão de alimentos antioxidantes e anti-inflamatórios. Neste contexto, é conhecido que o consumo de fontes de resveratrol – como alimentos vermelhos e arroxeados -, quercetina – como a cebola, alho, maçã e romã- e sulforafanos – encontrados em brássicas -, pode ser uma interessante estratégia para a redução da inflamação sistêmica, minimizando os riscos das duas condições e colaborando com a qualidade de vida6,7.

Referências Bibliográficas:

1-SUTHERLAND, E.R. Linking obesity and asthma. Ann N Y Acad Sci; 1311:31-41, 2014.

2-SIVAPALAN, P.; DIAMANT, Z.; ULRIK, C.S. Obesity and asthma: current knowledge and future needs. Curr Opin Pulm Med; 21(1):80-5, 2015.

3-CONTRERAS, Z.A.; CHEN, Z.; ROUMELIOTAKI, T. Does early onset asthma increase childhood obesity risk? A pooled analysis of 16 European cohorts. Eur Respir J; 52(3):1800504, 2018.

4-STRUNK, R.C.; COLVIN, R.; BACHARIER, L.B. et al. Airway obstruction worsens in young adults with asthma who become obese. J Allergy Clin Immunol Pract; 3(5):765-71, 2015.

5-WILLEBOORDSE, M.; VAN DE KANT, K.D.G.; TAN, F.E. et al. A multifactorial weight reduction programme for children with overweight and asthma: a randomized controlled trial. PLoS One; 11(6):e0157158, 2016.

6-JAYARATHNE, S.; KOBOZIEV, I.; PARK, O.H. et al. Anti-inflammartory and anti-obesity properties of food bioactive components: effects on adipose tissue. Prev Nutr Food Sci; 22(4):251-262, 2017.

           


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS