Consumo de café pode aumentar a longevidade?


Consumo de café pode aumentar a longevidade?

Publicado em 13/08/2018 às 15:35



O café é uma das bebidas mais apreciadas no mundo, sendo correlacionado com diversos benefícios à saúde, incluindo redução de mortalidade por diversas doenças. Este efeito é justificado pela presença de compostos bioativos, que reduzem fatores inflamatórios em nosso organismo1,2.

Para enfatizar este benefício, um recente estudo mostrou que o ácido ferúlico presente em altas concentrações nos grãos de café confere potente atuação inibitória em fatores de transcrição que aumentam a produção de citocinas inflamatórias. Por meio deste mecanismo, observa-se que o consumo de café pode ser correlacionado com redução do risco de diversas doenças metabólicas, como as neurodegenerativas e cardiovasculares3.

Ainda, um estudo realizado com 4406 indivíduos mostrou correlação entre o consumo de café e aumento nos níveis de adiponectina – uma citocina anti-inflamatória, que é associada com redução do risco de obesidade, hipertensão, disfunção endotelial entre outras condições metabólicas que geram aumento na mortalidade4.

Outro estudo populacional, realizado com a coorte NHANES (National Health and Nutrition Examination Survey), mostrou positiva associação entre o consumo de café e telômeros mais longos – dado que ilustra maior proteção em componentes genéticos de nossas células5.

Embora os resultados sejam promissores, é necessário ter atenção a alguns fatores que ainda são controversos na literatura. Uma análise realizada com diversos tipos de café indicou presença de acrilamida – composto tóxico que pode aumentar o risco de doenças inflamatórias, como o câncer – em alguns produtos. Desta forma, os autores alertam sobre a importância da regulamentação dos produtos, para que este consumo não exceda os níveis que podem prejudicar nosso organismo6.

Ainda, fatores genéticos precisam ser levados em consideração, uma vez que polimorfismos no metabolismo da cafeína podem gerar alguns riscos à saúde7.

Vale ressaltar que os malefícios podem ser potencializados com o consumo da bebida adoçada com açúcar ou adoçante – já que estes compostos reduzem os benefícios dos compostos bioativos presentes no grão. Ainda como orientação, o consumo do grão orgânico pode preservar seus benefícios, além de ser mais sustentável para o meio ambiente.

Referências Bibliográficas:

1-JE, Y.; GIOVANNUCCI, E. Coffee consumption and total mortality: a meta-analysis of twenty prospective cohort studies. Br J Nutr; 111(7):1162-73, 2014.

2-O´KEEFE, J.H.; DINICOLANTONIO, J.J.; LAVIE, C.J. Coffee for cardioprotection and longevity. Prog Cardiovasc Dis; 61(1):38-42, 2018.

3-McCARTY, M.F.; ASSANGA, S.B.I. Ferulic acid may target MyD88-mediated pro-inflammatory signaling – implications for the health protection afforded by whole grains, anthocyanins, and coffee. Med Hypotheses; 118:114-120, 2018.

4-LEE, C.B.; YU, S.H.; KIM, N.Y. et al. Association between coffee consumption and circulating levels of adiponectin and leptin. J Med Food; 20(11):1068-1075, 2017.

5-TUCKER, L.A. Caffeine consumption and telomere length in men and women of the National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES). Nutr Metab (Lond); 14:10; 2017.

6- EL-ZAKHEM NAUS, G.; MERHI, A.; ABBOUD, M.I. et al. Carcinogenic and neurotoxic risks of acrylamide consumed though caffeinated beverages among the lebanese population. Chemosphere; 208:352-357, 2018.

7- GODOS, J.; PLUCHINOTTA, F.R.; MARENTANO, S. et al. Coffee components and cardiovascular risk: beneficial and detrimental effects. Int J Food Sci Nutr; 65(8):925-36, 2014.


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS