Antioxidantes para o intestino - qual a importância?


Antioxidantes para o intestino - qual a importância?

Publicado em 02/08/2018 às 15:45



O estresse oxidativo é um dos gatilhos que afeta a saúde intestinal, gerando prejuízos na absorção de nutrientes e demais funções do órgão para o nosso equilíbrio orgânico1,2.

Desta forma, o consumo de alimentos antioxidantes tem sido proposto para a redução de sintomas que atingem o trato gastrointestinal, e do risco de desenvolvimento de doenças inflamatórias. Uma recente análise conduzida em modelo animal mostrou que o uso de vitamina E- importante nutriente antioxidante - reduziu os impactos inflamatórios e oxidativos gerados pela toxicidade mediada por pesticidas. Os autores também verificaram melhora na integridade da barreira intestinal com a intervenção3.

Em outro estudo, realizado em cultura de células intestinais de humanos, indicou que a administração de epigalocatequina galato – antioxidante presente em altas concentrações na planta Camellia sinensis – resultou em inibição da inflamação induzida por lipopolissacarides4.

Para contribuir com estes benefícios, uma análise realizada em modelo animal indiciou que a administração de polifenois da uva reduziu gatilhos inflamatórios na mucosa duodenal. Nesta análise, ainda constatou-se aumento de reações antioxidantes, que favorecem a saúde do intestino e demais sistemas5.

Ainda sobre compostos biotivos, há estudos que correlacionam o consumo de antocianinas – encontradas no açaí, por exemplo – com melhora da composição das bactérias probióticas do intestino, conferindo atuação prebiótica. Este efeito pode aumentar as concentrações de ácidos graxos de cadeia curta em nível intestinal, fato que auxilia na integridade do órgão6.

Desta forma, devemos considerar um plano alimentar rico em antioxidantes para melhora da saúde intestinal, podendo contribuir com outras estratégias nutricionais voltadas para este objetivo.

Referências Bibliográficas

1-FARIA, A.; FERNANDES, I.; NORBERTO, S. et al. Interplay between anthocyanins and gut microbiota. J Agric Food Chem; 62(29):6898-902, 2014.

2-HRIBAR, U.; ULRIH, N.P. et al. The metabolismo of anthocyanins. Curr Drug Metab; 15(1):3-13, 2014.

3-SUN, Y.; ZHANG, J.; SONG, W. et al. Vitamin E alleviates phoxim-induced toxic effects on intestinal oxidative stress, barrier function, and morphological changes in rats. Environ Sci Pollut Res Int; 2018. doi: 10.1007/s11356-018-2666-y.

4-BYUN, E.B.; KIM, W.S.; SUN, N.Y. et al. Epigallacatechin-3-gallete regulares anti-inflammatory action through 67-kDa laminin receptor-mediated tollip signaling induction in lipopolysaccharide-stimulated human intestinal epitelial cells. Cell Physiol Biochem; 46(5):2072-2081, 2018.

5-GESSNER, D.K.; FIESEL, A.; MOST, E. et al. Supplementation of grape seed and grape marc meal extract decreases activities of the oxidative stress-responsive transcription factors NF- k Band Nrf2 in the duodenal mucosa of pigs. Acta Vet Scand; 55:18, 2013.

6-ALGURASHI, R.M.; ALARIFI, S.N.; WALTON, G.E. et al. In vitro approaches to assess the effects of açaí (Euterpe oleracea) digestion on polyphenol availability and the subsequent impact on the faecal microbiota. Food Chem; 234:190-198,2017.

 


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS