Como o uso de agrotóxicos pode aumentar o risco de doenças hepáticas


Como o uso de agrotóxicos pode aumentar o risco de doenças hepáticas

Publicado em 05/07/2018 às 16:02



O tecido hepático é alvo de pesquisas devido sua importância fisiológica, no controle de diversas vias metabólicas em nosso organismo. Desta forma, a integridade histológica e de suas funções deve ser levada em consideração para o nosso equilíbrio orgânico1,2.

Entretanto, algumas substâncias tóxicas podem prejudicar as funções hepáticas, aumentando o risco de desenvolvimento de diversas doenças. Uma análise conduzida em células de animais expostos ao malation – um pesticida muito utilizado na agricultura para redução de pragas – identificou mudanças histológicas - incluindo necrose hepática -, confirmando sua atuação hepatotóxica. Com base neste resultado, os autores enfatizam que seu uso em larga escala deveria ser proibido3.

Entretanto, algumas substâncias tóxicas podem prejudicar as funções hepáticas, aumentando o risco de desenvolvimento de diversas doenças. Uma análise conduzida em células de animais e identificou mudanças, com base neste resultado, os autores sugeriram que o glifosato, que é utilizado em grande quantidade na produção de soja conferem toxicidade para com

Em outra análise, realizada em modelo celular de humanos, observou-se que alguns compostos utilizados na agricultura-incluindo o glifosato, que é utilizado em grande quantidade na produção de soja-conferem toxicidade em para complementar, um estudo conduzido com hepatócitos mostrou que a exposição aos agrotóxicos reduziu a capacidade de oxidação lipídica, bem como aumentou a predisposição de lipogênese. Este dado sugere que a exposição a estas toxinas favorece o acúmulo de gordura no tecido hepático, sendo um gatilho para esteatose5.

Entretanto, algumas substâncias tóxicas podem prejudicar as funções hepáticas, aumentando o risco de desenvolvimento de diversas doenças

Diversas condutas nutricionais podem ser aplicadas para minimizar os impactos negativos dos agrotóxicos e melhorar a saúde hepática. Dentre as condutas, devemos ressaltar a importância dos compostos bioativos e nutrientes antioxidantes e anti-inflamatórios – encontrados em grande quantidade em frutas, verduras e legumes.

Além desta importância, devemos reduzir a exposição aos agrotóxicos, com um simples ato de consumir mais alimentos orgânicos. Com esta atitude, teremos mais vitalidade, além de contribuirmos com a natureza, economia e a saúde de pequenos produtores.

Referências Bibliográficas

1-KARAMI-MOHAJERI, S.; AHMADIPOUR, A.; RAHIMI, H.R. et al. Adverse effects of organophosphorus pesticides on the liver: a brief summary of four decades of research. Arh Hig Rada Toksikol; 68(4): 261-275, 2017.

2-MUHAGIJA, J.A.M.; CHIBURA, P.E.; LUGWISHA, E.H.J. Residues of pesticides and metabolites in chicken kidney, liver and muscle samples from poultry farms in DAR es Sallam and Pwani, Tanzania. Chemosphere; 193:869-874, 2018.

3-ULLAH, S.; LI, Z.; HASAN, Z. et al. Malathion induced oxidative stress leads to histopathological and biochemical toxicity in the liver of rohu (Labeo rohita, Hamilton) at acute concentration. Ecotoxicol Environ Saf; 161:279-280, 2018.

4-FORSYTHE, S.D.; DEVARESETTY, M.; SHUPE, T. et al. Environmental toxin screening using human-derived 3D bioengineered liver and cardiac organoids. Front Public Health; 6:103, 2018.

5-HOWELL, G.E.; MCDEVITT, E.; HENEIN, L. et al. Alterations in cellular lipid metabolismo produce neutral lipid accumulation following exposure to the organochlorine compound trans-nonachlor in rat primary hepatocytes. Environ Toxicol; 2018. doi: 10.1002/tox.22583.

 


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS