Exposição ao cádmio e problemas cognitivos em crianças


Exposição ao cádmio e problemas cognitivos em crianças

Publicado em 13/03/2018 às 14:25



O cádmio é um elemento considerado tóxico, encontrado em quantidades significativas em fumaça de cigarro, alimentos contaminados com pesticidas e poluentes de ar1-3.

Seus efeitos prejudiciais à saúde são bem elucidados pela literatura atual, sendo evidentes correlações com processos inflamatórios, nefrotoxicidade, carcinogênese, alterações endócrinas e instabilidade em componentes celulares, como nosso DNA1-3.

Em crianças, a alta exposição ao cádmio pode ser prejudicial à saúde mental. Um recente estudo, que avaliou as concentrações de cádmio em amostras de urina de crianças em dois momentos – 5 e 10 anos de idade – mostrou que o aumento na exposição aos 10 anos de idade esteve correlacionado com redução nas habilidades cognitivas em meninos4.  

A exposição materna também é relatada como prejudicial para o desenvolvimento cognitivo da criança, uma vez que esta toxina pode atravessar a placenta e, por consequência, prejudicar diversas reações celulares. Para demonstrar esta hipótese, um estudo realizado com 884 gestantes, submetidas a exames sanguíneos para avaliação da concentração de cádmio, identificou positiva correlação entre a alta exposição desta toxina e alterações no desenvolvimento neurológico de seus filhos5.

Ainda, um estudo realizado com gestantes de Myanmar mostrou que a alta exposição ao cadmio durante este período foi associado à ocorrência de nascimentos em score baixo peso – dado que também pode contribuir, de forma negativa, com parâmetros de desenvolvimento6.

Com base nestas evidências, é importante ter cautela com esta exposição, devido aos seus efeitos prejudiciais desde a gestação. Além da redução do contato com os poluentes e alimentos contaminados, também é fundamental ter uma alimentação saudável – rica em nutrientes e compostos antioxidantes e destoxificantes – para que sua eliminação seja mais eficiente, e seus efeitos nocivos menos evidentes.

Referências Bibliográficas:

1-RANI, A.; KUMAR, A.; LAL, A. et al. Cellular mechanisms of cádmium-induced toxicity: a review. Int J Environ Health Res; 24(4):378-99, 2014.

2-BERNHOFT, R.A. Cadmium toxicity and treatment. Scientific World Journal; 2013. doi: 10.1155/2013/394652.

3-FILIPIC, M. Mechanisms of cádmium induced genomic instability. Mutat Res; 733(1-2):69-77, 2012.

4-GUSTIN, K.; TOFAIL, F.; VAHTER, M. et al. Cadmium exposure and cognitive abilities and behavior at 10 years of age: a prospective cohort study. Environ Int; 2018. doi: 10.1016/j.envint.2018.02.020.

5-DHARMADASA, P. KIM, N.; THUNDERS, M. Maternal cadmium exposure and impact on foetal gene expression. Food Chem Toxicol; 109(Pt1): 714-720, 2017.

6-WAI, K.M.; MAR, O.; KOSAKA, S. et al. Prenatal heavy metal exposure and adverse birth outcomes in Myanmar: a birth-cohort study. Int J Environ Res Public Health; 14(11):E1339, 2017.

 


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS