Deficiência de vitamina C e perda de massa muscular


Deficiência de vitamina C e perda de massa muscular

Publicado em 12/05/2022 às 14:29



A perda de massa de muscular é condição bastante relacionada ao envelhecimento fisiológico. Os distúrbios metabólicos associados a essas condições incluem alterações no metabolismo de ácidos graxos, aminoácidos e glicose, que contribuem para o desenvolvimento de obesidade, diabetes tipo 2, sarcopenia e perda muscular esquelética relacionada à idade.

A vitamina C influencia a fisiologia do músculo esquelético, ajudando na redução do risco de perda de musculatura, participando da síntese de carnitina e colágeno, reduzindo o dano oxidativo ao músculo e modulando citocinas inflamatórias.

Nesse sentido, um ensaio clínico investigou associações transversais entre níveis de vitamina C dietética e plasmática e medidas de massa muscular esquelética (MME) em uma coorte de 13 mil indivíduos de 42 a 82 anos. A ingestão de vitamina C foi avaliada por diário alimentar de 7 dias e os níveis plasmáticos de vitamina C medidos no sangue periférico. A MME foi aferida por bioimpedância elétrica. Foram encontradas associações positivas entre a ingestão total de vitamina C e MME, especialmente para os indivíduos com maior quintil de consumo. Além disso, os indivíduos com níveis plasmáticos suficientes de vitamina C (≥50 μmol/L) apresentaram maior percentual de MME em relação àqueles com níveis insuficientes (<50 μmol/L).

Os resultados sugerem que a inclusão de alimentos fontes de vitamina C, como frutas cítricas e vegetais folhosos verde escuros na dieta pode ter potencial na proteção contra o risco de perda de massa muscular ao longo dos anos. Porém, essa estratégia deve fazer parte de uma alimentação que também seja individualizada, equilibrada em outros nutrientes e compostos ativos, em conjunto com um estilo de vida saudável e prática de atividade física.

Referência bibliográfica:

Lewis et al. Lower Dietary and Circulating Vitamin C in Middle- and Older-Aged Men and Women Are Associated with Lower Estimated Skeletal Muscle Mass. The Journal of Nutrition; 150(10):2789-2798, 2020.