O poder destoxificante do brócolis


O poder destoxificante do brócolis

Publicado em 20/09/2019 às 09:25



A dieta é a principal fonte de carboidratos, proteínas, gorduras, fibras, vitaminas e minerais, nutrientes que suportam reações bioquímicas intrínsecas essenciais à vida, como também fitoquímicos, que são essenciais para a melhora da saúde e qualidade de vida. O principal composto bioativo formado no brócolis é o sulforafano (SF), um anticarcinogênio eficaz em modelos animais, que atua em parte na indução de desintoxicação, antioxidante e em enzimas anti-inflamatórias, ativando a via de sinalização Keap1-Nrf21

De acordo com dados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), globalmente, 40% dos derrames, 11% das doenças pulmonares obstrutivas crônicas e 6% das mortes por câncer de pulmão são causadas pela poluição do ar ao ar livre. A mesma, é classificada como um “carcinógeno humano conhecido do Grupo 1”, uma mistura complexa que frequentemente contem benzeno em sua composição2.

Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition avaliou adultos com boa saúde em geral e sem histórico de doenças crônicas graves, controlados por placebo para avaliar a farmacocinética e a farmacodinâmica de uma bebida enriquecida com glucorafanina (GR) e SF preparada a partir de brotos de brócolis. Os resultados mostraram que a bebida preparada com broto de brócolis melhorou a desintoxicação do benzeno. Desta forma é possível concluir que quantidades moderadas de brócolis podem fornecer doses efetivas de SF e isso pode ser considerada como uma estratégia prática e econômica para atenuar riscos à saúde a longo prazo por conta da poluição do ar1.

Referências bibliográficas:

  1. CHEN, J.; JOHNSON, J.; EGNER, P.; et al. Dose-dependent detoxication of the airborne pollutant benzene in a randomized trial of broccoli sprout beverage in Qidong, China. American Journal of Clinical Nutrition; 110(3): 675-684, 2019.
  2. LOOMIS, D.; GROSSE, Y.; LAUBY-SECRETAN, B.; et al. The carcinogenicity of outdoor air pollution. Lancet Oncol; 14(13):1262–3, 2013.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS