Alimentos para melhorar a concentração


Alimentos para melhorar a concentração

Publicado em 14/05/2019 às 10:24



O cérebro, assim como os demais órgãos e tecidos do corpo, necessita de diversos nutrientes e compostos bioativos para funcionar em seu potencial máximo. Nesse sentido, existem alguns alimentos capazes de potencializar a capacidade cognitiva, incluindo a aprendizagem e a concentração. O consumo de frutas, mais especificamente aquelas ricas no flavonoide antocianina, como açaí, jambolão, jabuticaba, camu-camu, grumixama e morango, está associado a melhores parâmetros de memória e concentração, bem como retardo do declínio cognitivo em adultos mais velhos. Outros agentes com atividade antioxidante, como a luteína, zeaxantina, selênio, zinco e vitamina E, desempenham importante papel na melhora do desempenho intelectual, uma vez que estão envolvidos na síntese de novos neurônios e atuam  na proteção contra a peroxidação lipídica de células nervosas1. Nesse contexto, as gorduras mono e poli-insaturadas, presentes de forma abundante no azeite de oliva extra virgem e nas castanhas (amêndoas, baru, castanha do Brasil), compõe a bainha de mielina dos neurônios, e o consumo desse tipo de gordura é capaz de contribuir, assim, para a integridade da membrana da célula e transmissão de impulsos nervosos2.

De modo contrário, estudos têm mostrado que o consumo de uma alimentação não saudável (alto consumo de gorduras saturadas e/ ou açúcar), ainda que por um curto período de tempo (de 1 a 7 dias), medeia processos neuroinflamatórios no hipocampo, o que prejudica a memória e concentração. Indo de encontro com essa informação, estudo desenvolvido com adultos mostrou que o consumo de uma dieta rica em gorduras saturadas por 5 dias reduziu de forma significante a atenção e a velocidade na captação de informações relacionadas ao trabalho, em comparação com indivíduos que consumiram uma dieta padrão.

Os resultados aqui descritos destacam a importância de bons hábitos alimentares ao longo da vida, que terão impacto não somente no menor risco de doenças crônicas, como também atuarão na melhora de parâmetros cognitivos. 

Referências bibliográficas:

  1. SPENCER, S.J.; KOROSI, A.; LAYÉ, S. et al. Food for thought: How nutrition impacts cognition and emotion. Science of Food (Nature); 1: 7, 2017.
  2. MARTÍNEZ-GARCÍA, R.M.; JIMÉNEZ-ORTEGA, A.I.; LÓPEZ-SOBALER, A.M. et al. Nutrition strategies that improve cognitive function. Nutr Hosp; 35(6): 16-19, 2018.
  3. THALER, J.P.; YI, C.X.; SCHUR, E.A. et al. Obesity is associated with hypothalamic injury in rodents and humans. J Clin Invest; 122: 153-162, 2012.
  4. BEILHARZ, J. E.; MANIAM, J.; MORRIS, M. J. Short-term exposure to a diet high in fat and sugar, or liquid sugar, selectively impairs hippocampal-dependent memory, with differential impacts on inflammation. Behav Brain Res; 306: 1-77, 2016.
  5. HOLLOWAY, C.J.; COCHLIN, L.E.; EMMANUEL, Y. et al. A high-fat diet impairs cardiac high-energy phosphate metabolism and cognitive function in healthy human subjects. Am J Clin Nutr; 93: 748-755, 2011.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS