Alimentos antioxidantes podem reduzir os sintomas da menopausa


Alimentos antioxidantes podem reduzir os sintomas da menopausa

Publicado em 11/03/2019 às 17:08



A menopausa é um processo fisiológico marcado por alterações hormonais na mulher - especialmente em hormônios sexuais, como o estradiol. Ao longo deste processo, também observa-se o aumento do estresse oxidativo, que pode estar relacionado com a evolução do envelhecimento e aumento do risco de algumas doenças– como as cardiovasculares, neurodegenerativas e câncer1,2.

Neste contexto, alguns estudos mostram que o consumo de alimentos fontes de antioxidantes pode ser uma interessante estratégia para reduzir estes riscos. Uma análise realizada em modelo animal indicou que a administração de quercetina resultou em redução do estresse oxidativo nos ovários, com efeito inibitório da expressão genica de proteínas relacionadas a este processo. A quercetina pode ser encontrada em alimentos como cebola, alho, maçã e frutas vermelhas – como açaí, jabuticaba e jambolão3.

A curcumina – principal composto bioativo da Curcuma longa – também é proposta para amenizar os sintomas associados à menopausa. Uma análise conduzida em modelo animal de indução de menopausa identificou que a administração da curcumina reduziu o estresse oxidativo, sendo este efeito correlacionado com melhora cognitiva e redução de ansiedade – condições que são prevalentes durante esta fase4.

Grande parte dos compostos bioativos antioxidantes é encontrada em frutas, verduras e legumes. A partir deste dado, um recente estudo realizado com mulheres menopausadas mostrou que o aumento no consumo destes alimentos amenizou os sintomas desta fase – especialmente os físicos e mentais. Por outro lado, o aumento no consumo de alimentos açucarados e industrializados foi positivamente correlacionado com aumento dos sintomas5.

Estes resultados reforçam a importância de bons hábitos alimentares, que devem ser considerados em todas as fases da vida, visando qualidade de vida durante o envelhecimento.

Referências Bibliográficas:

1-BONACCORSI, G.; PIVA, I.; GRECO, P. et al. Oxidative stress as a possible pathogenic cofactor of post-menopausal osteoporosis: existing evidence in support of the axis oestrogen deficiency-redoz imbalance-bone loss. Indian J Med Res; 147(4):341-351, 2018.

2- ROSANO, G.M.; SPOLETINI, I.; VITALE, C. Cardiovascular disease in women, is it different to men? The role of sex hormones. Climacteric; 20(2):125-128,2017.

3- WANG, J.; QIAN, X.; GAO, Q. et al. Quercetin increases the antioxidant capacity of the ovary in menopausal rats and in ovarian granulosa cell culture in vitro. J Ovarian Res; 11(1):51, 2018.

4-DA SILVA MORRONE, M.; SCHNORR, C.E.; BEHR, G.A. et al. Oral administration of curcumin relieves behavioral alterations and oxidative stress in the frontal cortex, hippocampus, and striatim of ovariectomized wistar rats. J Nutr Biochem; 32:181-8, 2016.

5-SOLEYMANI, M.; SIASSI, F.; QORBANI, M. et al. Dietary patterns and their association with menopausal symptoms: a cross-sectional study. Menopause; 2018. doi: 10.1097/GME.0000000000001245.

 

 

 

 


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS