Gelado Napolitano com Creme de Iogurte de Amêndoas e Inhame


Gelado Napolitano com Creme de Iogurte de Amêndoas e Inhame

Publicado em 15/02/2017 às 13:28





Uma deliciosa sobremesa é sempre bem vinda após as principais refeições (almoço ou jantar). Geralmente são oferecidas, na maioria dos lares e restaurantes, sobremesas ricas em açúcares refinados, corantes e outros ingredientes não saudáveis. Então, que tal experimentar uma sobremesa rica em sabores e aromas e elaborada com ingredientes benéficos à nossa saúde? Você observará que nos ingredientes não estão listados leite e derivados, ovos e produtos que contém glúten em sua composição, muito comuns em receitas de sobremesas tradicionais. Assim sendo, indivíduos que possuem restrições alimentares a esses ingredientes podem experimentar prazerosamente essa receita.

A doença celíaca é uma das doenças mais comuns ao longo da vida, com uma prevalência de aproximadamente 1% na população mundial. Para estes pacientes, a adesão a uma dieta rigorosa sem glúten é essencial para o controle da doença. Os ingredientes mais utilizados na confecção de produtos de cereais sem glúten são farinhas sem glúten, amido de milho, farinha de arroz, fécula de batata e tapioca1. Os cookies sem glúten podem ser consumidos no desjejum e lanches intermediários, além de serem ingredientes interessantes para elaborar pratos doces saudáveis.

O iogurte de amêndoas é uma opção alimentar em substituição ao iogurte derivado de leite de vaca. A amêndoa (Prunus dulcis) pertence ao grupo das oleaginosas, assim como as nozes, avelã, macadâmia, noz pecã, pistache, castanha de caju, castanha do Brasil e amendoim. Possui um alto teor lipídico (>50%), sendo aproximadamente 75% de ácidos graxos monoinsaturados (MUFAS)2, além de fibras, proteína vegetal de alta qualidade, minerais (selênio), vitaminas (folato, riboflavina e α-tocoferol), fitoesteróis e compostos fenólicos, podendo auxiliar na redução da incidência de várias doenças crônicas como as doenças cardiovasculares (DCV), obesidade e dislipidemias3.

O café (Coffea arabica L. e Coffea canephora) é uma das bebidas mais consumidas no mundo, logo depois da água e chá. Possui cafeína, que exerce efeito estimulante sobre o sistema nervoso central e é fonte relevante de compostos antioxidantes4. Em estudo, o consumo diário de 3 a 4 xícaras de café descafeinado contendo altos teores de ácido clorogênico reduziu significativamente o risco de diabetes mellitus tipo 2 até 30%5. Uma revisão sistemática que englobou 36 estudos (1 279 804 participantes e 36 352 casos de DCV) mostrou que o consumo moderado de café (3 a 5 xícaras/dia) foi inversamente associado com o risco de DCV6.

O inhame (gêneros Dioscorea alata e Colocasia esculenta) possui carboidratos, vitaminas, minerais e outros compostos como saponinas, compostos fenólicos, glicoalcaloides, ácido fítico, carotenoides e ácido ascórbico, relacionados às ações antioxidantes, hipoglicemiantes, hipocolesterolêmicas, antimicrobianas e imunomoduladoras7.

O morango (Fragaria X ananassa, Duch.) possui vitaminas, minerais e compostos bioativos como flavonoides, antocianinas e ácidos fenólicos, capazes de bloquear a produção de radicais livres, modular a expressão de genes envolvidos no metabolismo, sobrevivência e proliferação celular e defesa antioxidante e proteger e reparar danos no DNA8

O açúcar demerara orgânico é um tipo de açúcar considerado natural desde o plantio, sem a utilização de adubos e fertilizantes químicos, passando pela produção industrial sem cal, enxofre, ácido fosfórico e tantos outros elementos adicionados ao produto refinado9.

O chocolate amargo possui de 56 a 99% de cacau. O cacau (Theobroma cacao) possui inúmeras propriedades benéficas à saúde como ação anti-inflamatória, anti-diabética, cardioprotetora, neuroprotetora, redução do estresse hormonal, melhora da função hepática e da flora intestinal10. Por favorecer a produção de óxido nítrico, diminui disfunções endoteliais, oxidação de lipoproteínas, agregação plaquetária e mecanismos inflamatórios11.

O leite de coco é um produto derivado do coco, fruto proveniente do coqueiro (Cocos nucifera). Em estudo, está relacionado com a diminuição de lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e aumento dos níveis de lipoproteínas de alta densidade (HDL)12.

Por fim, a baunilha (Vanilla planifólia) é o fruto de uma orquídea trepadeira perene, nativa da América Central, usado em numerosos produtos.  A vanilina (4-hidroxi-3-metoxibenzaldeído) é o principal componente aromatizante das sementes, parte interna das vagens13. Um estudo conduzido por Kundu e Mitra14 mostrou que a vanilina possui potencial efeito inibidor da acetilcolinesterase (AChEIs), importante para o tratamento da doença de Alzheimer e outros distúrbios neurológicos.

Ingredientes:

01 xícara (chá) de cookies sem glúten (sabor chocolate)

01 xícara (chá) de café coado bem forte sem açúcar

01 xícara (chá) de iogurte de amêndoas

02 xícaras (chá) de inhame cozido sem sal

02 xícaras (chá) de morangos orgânicos picados

02 colheres (sopa) de açúcar demerara orgânico

01 xícara (chá) de chocolate amargo picado (70% de cacau)

01 xícara (chá) de leite de coco

01 fava de baunilha

Amêndoas trituradas a gosto (sem sal)

 Modo de preparo: Geléia de morango: em uma panela de aço inoxidável, colocar os morangos, o açúcar demerara e ½ xícara de chá de água. Deixar ferver até reduzir a água e alcançar a consistência de geléia.

Creme de iogurte de amêndoas e inhame: em uma batedeira, bater o inhame, o iogurte e sementes de fava de baunilha a gosto até alcançar uma textura aerada.

Ganache funcional: derreter o chocolate em banho-maria. Acrescentar o leite de coco fervido e mexer até obter uma textura cremosa.

Montagem: em uma taça de vidro, colocar os biscoitos quebrados em pedaços pequenos e embebidos no café. Por cima, fazer uma camada de creme de iogurte com inhame, depois uma camada de geléia de morango e mais uma camada de creme de iogurte. Por último, fazer uma camada de ganache funcional, decorar com morangos e amêndoas trituradas e levemente torradas. Deixar na geladeira por pelo menos 2 horas antes de servir.

Rendimento: 03 a 04 porções

Referências bibliográficas:

  1. ŠARIĆ, B. et al. Valorisation of raspberry and blueberry pomace through the formulation of value-added gluten-freecookies. J Food Sci Technol; 53(2):1140-50, 2016.
  2. LÓPEZ-URIARTE, P. Nuts and oxidation: a systematic review. Nutr Rev; 67(9): 497-508, 2009.
  3. OZTURKOGLU-BUDAK, S.; AKAL, C.; YETISEMIYEN, A. Effect of dried nut fortification on functional, physicochemical, textural, and microbiological properties of yogurt. J Dairy Sci; 99(11): 8511-8523, 2016.
  4. MARTINI, D. et al. Coffee Consumption and Oxidative Stress: A Review of Human Intervention Studies. Molecules; 21(8), 979, 2016.
  5. HUXLEY, R. et al. Coffee, decaffeinated coffee, and tea consumption in relation to incident type 2 diabetes mellitus: a systematic review with meta-analysis. Arch Intern Med; 169(22): 2053-63, 2009.
  6. DING, M. et al. Long-term coffee consumption and risk of cardiovascular disease: a systematic review and a dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Circulation; 129(6): 643-59, 2014.
  7. CHANDRASEKARA, A.; KUMAR, T.J. Roots and tuber crops as functional foods: a review on phytochemical constituents and their potential health benefits. Int J Food Sci., 2016: 3631647, 15 pages, 2016.
  8. GIAMPIERI, F. et al. Strawberry as a health promoter: an evidence based review. Food Funct., 2015. May; 6(5): 1386-98.
  9. BETTANI, S.R. et al. Avaliação físico-química e sensorial de açúcares orgânicos e convencionais. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais; 16(2):155-162, 2014.
  10. VERNA, R. The history and science of chocolate. Malaysian J Pathol; 35(2): 111–121, 2013.
  11. KATZ, D. L.; DOUGHTY, K.; ALI. A. Cocoa and chocolate in human health and disease. Antioxid Redox Signal; 15(10): 2779–2811, 2011.
  12. EKANAYAKA, R. A. I. et al. Impact of a traditional dietary supplement with coconut milk and soya milk on the lipid profile in normal free living subjects. J Nutr Metab; 481068, 11, 2013.
  13. GALLAGE, N. J. et al. Vanillin formation from ferulic acid in Vanilla planifolia is catalysed by a single enzyme. Nat Commun; 5: 4037, 2014.
  14. KUNDU, A.; MITRA, A. Flavoring extracts of Hemidesmus indicus roots and Vanilla planifolia pods exhibit in vitro acetylcholinesterase inhibitory activities. Plant Foods Hum Nutr; 68(3): 247-53, 2013.

        


ASSINE NOSSA NEWSLETTER E RECEBA PROMOÇÕES E CONTEÚDOS EXCLUSIVOS