VP - Nutrição Funcional

Blog Oficial - www.vponline.com.br

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

O mel é uma substância doce produzida pelas abelhas a partir do néctar das flores; sua utilização como edulcorante é conhecida em diferentes partes do mundo. Seu alto teor de açúcares, pequenas quantidades de aminoácidos e lipídios, juntamente com algumas vitaminas, minerais e compostos antioxidantes transmite o seu elevado valor nutricional. Porém, as amostras de mel que estão disponíveis comercialmente, diferem em qualidade por conta de vários fatores, como as condições geográficas, sazonais e de processamento, fonte floral, embalagens e período de armazenamento.

As propriedades terapêuticas do mel já são reconhecidas e estudadas há muito tempo. Sabe-se que ele tem o poder de proteger o organismo contra vírus, inflamações, radicais livres e até mesmo câncer. O trato gastrointestinal (TGI) contém grande quantidade de bactérias essenciais e benéficas, especialmente bifidobactérias. Tem sido sugerido que o mel pode aumentar a quantidade dessas bactérias no TGI devido à presença de fibras prebióticas em sua composição.

Mais recentemente, têm-se atribuído ao mel propriedades emagrecedoras. A revista Corpo a Corpo número 302 apresentou a matéria de capa a seguinte frase “Dieta do mel emagrece três quilos em um mês e mata a fome de doce”.

Um estudo publicado pela revista International Journal of Food Sciences and Nutrition investigou o efeito do consumo de mel sobre o peso e alguns parâmetros bioquímicos em pacientes diabéticos. Eles demonstraram que seu consumo pode proporcionar efeitos benéficos sobre o peso corporal e lipídios no sangue de pacientes diabéticos. Entretanto, devido ao aumento da hemoglobina glicada, seu consumo deve ser cauteloso. Outro estudo, dessa vez conduzido em ratos, observou que em comparação à sacarose o mel pode reduzir o ganho de peso e adiposidade, provavelmente devido à menor ingestão de alimentos por parte dos ratos que receberam mel ao invés de açúcar.

Os estudos ainda são muito escassos, faltam dados que justifiquem e comprovem essa suposta propriedade emagrecedora do mel. Temos que ter bom senso nesse caso, pois o mel pode ter valor nutricional interessante, mas não deixa de ser uma fonte de carboidrato, na forma de frutose, cujo consumo excessivo pode ser prejudicial a saúde. Além disso, é importante considerar que não existe um único alimento capaz de promover perda de peso – os efeitos benéficos só serão alcançados com o consumo de uma dieta nutricionalmente equilibrada.

REFERÊNCIAS

YAGHOOBI, N.; AL-WAILI, N.; GHAYOUR-MOBARHAN, M.; et al. Natural Honey and Cardiovascular Risk Factors: Effects on Blood Glucose, Cholesterol, Triacylglycerole, CRP, and Body Weight Compared with Sucrose. The Scientific World Journal; 8: 463-469, 2008.

BAHRAMI, M.; ATAIE-JAFARI, A.; HOSSEINI, S.; et al. Effects of natural honey consumption in diabetic patients: an 8-week randomized clinical trial. Int J Food Sci Nutr; 60(7): 618-626, 2009.

NEMOSECK, T.M.; CARMODY, E.G.; FURCHNER-EVANSON, A.; et al. Honey promotes lower weight gain, adiposity, and triglycerides than sucrose in rats. Nutr Res; 31(1): 55-56, 2011.

CORTÉS, M.E.; VIGIL, P.; MONTENEGRO, G. The medicinal value of honey: a review on its benefits to human health, with a special focus on its effects on glycemic regulation. Cien Inv Agr; 38(2): 303-317, 2011.

AJIBOLA, A.; CHAMUNORWA, J.P.; ERLWANGER, K.H.; et al. Nutraceutical values of natural honey and its contribution to human health and wealth. Nutr Metab; 9:61, 2012.

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Dá-se o nome de metabolismo ao conjunto de reações químicas que acontecem no nosso organismo. O corpo humano é uma máquina complexa, que necessita de inúmeros nutrientes para garantir seu funcionamento.

O termo “Dieta” foi originado da palavra grega “díaita” e significa um “modo de vida”. Infelizmente, grande parte das pessoas ao invés de adotarem um estilo de vida saudável ainda esperam dietas e/ou alimentos milagrosos, que levem embora em duas semanas a gordura acumulada durante toda uma vida.

A Revista Veja do dia 22 de Janeiro de 2014 publicou como matéria de capa uma reportagem sobre o suco verde, colocando-o como “novidade no universo das dietas da moda”, citando inclusive, artistas e pessoas famosas que fazem seu uso com o objetivo de emagrecimento.

Não tem nada de “moda” na ingestão do suco verde. Há tempos seus benefícios são conhecidos, destacando-se sua capacidade de melhorar o funcionamento do intestino, a capacidade destoxificante do fígado, ajudar na imunidade e diminuir a inflamação.

A obesidade pode ser considerada um desequilíbrio funcional, pois hoje já se sabe que a célula de gordura secreta diversas substâncias inflamatórias que alteram o metabolismo. Na nutrição clínica funcional, o tratamento de um paciente obeso envolve muito mais do que simplesmente a redução do total de calorias ingeridas – envolve também a retirada de alimentos alergênicos e inflamatórios e a introdução de alimentos funcionais e compostos bioativos, respeitando a individualidade bioquímica.

O suco verde pode até auxiliar no processo de emagrecimento por ajudar a reestabelecer o equilíbrio orgânico e por conter substâncias termogênicas (como gengibre, por exemplo), mas é preciso que as pessoas adotem um estilo de vida saudável como um todo, respeitando sua rotina, o horário das refeições, controlando a ingestão de açúcar e gordura ruim, xenobióticos, dentre outros. Pouco adianta ingerir o suco verde no café da manhã, almoçar fast food com refrigerante, lanchar pão francês com presunto e ser uma pessoa estressada e sedentária.

Matérias como essas publicadas pela Revista Veja deveriam deixar claro para o leitor que para emagrecer com saúde e manter-se magro, não devemos seguir a dieta da moda ou tomar suco verde porque determinado artista toma, mas sim respeitar nossa individualidade e procurar profissionais capacitados para nos orientar da melhor forma.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PASCHOAL, V.; NAVES, A.; DA FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1ª ed., VP Editora, São Paulo, 2007.

PASCHOAL, V.; NAVES, A.; BRIMBERG, P.; et al. Suplementação Funcional Magistral: dos nutrientes aos compostos bioativos. 1ª ed., VP Editora, São Paulo, 2009.

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Alergias e intolerâncias alimentares são cada vez mais comuns em nossa população, e uma das causas deste aumento de prevalência é a progressiva inserção de alimentos industrializados na cultura alimentar ocidental. Estes termos são muitas vezes confundidos, o que talvez se justifique pelo fato de um mesmo alimento poder desencadear os dois quadros ou por ambas serem reações adversas causadas por alimentos. A distinção entre alergias e intolerâncias alimentares foi tema de uma reportagem atual de uma revista de grande circulação no Brasil.

As alergias alimentares ocorrem após a ingestão de alimentos, envolvendo mecanismos imunológicos. Na maior parte das vezes, é causada por um componente proteico do alimento, estando assim, incorreto o termo “alergia à lactose”, já que esta substância, um carboidrato, não é capaz de estimular o sistema imune. Alergias podem ser imediatas ou tardias. O primeiro grupo é de fácil identificação, pois a reação ocorre instantes após a ingestão do alimento. Estas reações são hipersensibilidades tipo 1, mediadas por IgE. Em resumo, o mecanismo é este: um pedaço de proteína mal digerida entra na corrente circulatória, estimula a produção do anticorpo IgE, que induz a produção de mediadores como a histamina, responsável por sintomas como inchaço, vermelhidão e coceira. Alergias tardias são mais difíceis de serem percebidas, pois os sintomas podem aparecer até 4 dias após o contato com o alérgeno. Neste caso, outros tipos de anticorpos e células do sistema imunológico podem estar envolvidos, mas os sintomas são semelhantes. As alergias alimentares podem expressar-se como urticárias, dermatites, rinites, sinusites, asma, e até quadros graves como edema de glote e anafilaxia. Os alimentos mais comumente envolvidos em reações alérgicas de ambos os tipos são leite e seus derivados, derivados do trigo, frutos do mar, oleaginosas, soja, milho e ovos. Aditivos alimentares, a exemplo de corantes amarelos e vermelhos podem também causar alergias.

As intolerâncias alimentares são reações adversas a alimentos causadas por características do indivíduo, sem envolvimento de mecanismos imunológicos. Um exemplo clássico de intolerância é a intolerância à lactose, causada por insuficiência da enzima lactase, capaz de digerir o carboidrato do leite em glicose e galactose, que podem ser absorvidos. Sabe-se que adultos têm naturalmente menor quantidade de lactase em seu intestino, pois evoluímos para ingerir lactose apenas durante a infância. A intolerância à lactose pode ser causada por deficiência genética da enzima, quando é denominada “deficiência à lactose primária”. Este quadro é mais grave e raro. É detectado ainda na infância. Diarreias prolongadas, uso de laxantes e disbiose intestinal podem causar uma intolerância secundária à lactose, que é um distúrbio temporário e de menor gravidade. Os sintomas são, em sua maioria, gastrintestinais, como náuseas e diarreias, embora sintomas sistêmicos possam aparecer em virtude da deterioração da saúde intestinal.

Existem ainda reações tóxicas, causadas por substâncias presentes em alguns alimentos. As aminas bioativas são substâncias frequentemente associadas a estes quadros. Peixes, moluscos e crustáceos mal conservados podem conter quantidade significativa de histamina, e assim, quando ingeridos, podem mimetizar alergias. Alimentos fermentados como queijos e vinhos, assim como frutas, ao exemplo do abacaxi, contêm tiramina, uma amina bioativa associada principalmente a cefaleias, assim como a octopamina presente em frutas cítricas. Aditivos alimentares como realçadores de sabor, conservantes e corantes artificiais também podem causar reações deste tipo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. PASCHOAL, V.; NAVES A.; FONSECA, A.B.P.B.L. Nutrição Clinica Funcional: dos princípios à prática clínica. São Paulo. Editora Valéria Paschoal Ltda., 2007

2. UNTERSMAYR, E.; JENSEN-JAROLIM, E. Mechanisms of type I food allergy. Pharmacol Ther; 112(3): 787-98, 2006.

3. ALERAJ, B.; TOMIĆ, B. Epidemiology of allergic diseases. Acta Med Croatica; 65(2):147-53, 2011.

4. TABAR, A.I.; ACERO, S.; ARREGUI, C.; et al. Asthma and allergy due to carmine dye.  An Sist Sanit Navar; 26 (Suppl 2): 65-73, 2003.

5. BEAUSOLEIL, J.L.; FIEDLER, J.; SPERGEL, J.M. Food Intolerance and childhood asthma: what is the link? Paediatr Drugs; 9(3):157-63, 2007.

6. DEL RÍO-NAVARRO, B.E.; SIENRA-MONGE, J.J. Food allergy. Bol Med Hosp Infant Mex; 50 (6): 422-9, 1993.

7. LEVITT, M.; WILT, T.; SHAUKAT, A. Clinical implications of lactose malabsorption versus lactose intolerance. J Clin Gastroenterol; 47(6): 471-480, 2013.

8. NAILA, A.; FLINT, S.; FLETCHER, G.; et al.. Control of biogenic amines in food–existing and emerging approaches. J Food Sci; 75(7): R139-50, 2010.

9. Leira R, Rodríguez R. Diet and migraine. Rev Neuro; 24(129):534-8, 1996.

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Na vida corrida da modernidade, alimentos naturais têm sido cada vez menos consumidos, por serem considerados menos práticos. As frutas são exemplos dessa redução no consumo, por ocupar espaço na geladeira, precisarem ser cortadas, descascadas, lavadas, ou receber qualquer tratamento anterior à ingestão. O lugar das frutas está sendo ocupado por sucos, muitas vezes industrializados, vendidos em caixas e sacos, ou feitos com polpa de frutas ensacadas. Quando são feitos sucos naturais, em geral, são coados e adicionados de açúcar ou adoçantes artificiais. Será que estas trocas estão sendo benéficas para a saúde da população?

As frutas são alimentos ricos em fibras solúveis (capazes de reduzir o colesterol e manter a homeostase intestinal) e insolúveis (evitam a obstipação), em vitaminas (dentre as quais destaca-se a C, importante antioxidante que previne doenças crônicas não transmissíveis e envelhecimento precoce) e em diversos compostos bioativos antioxidantes, como carotenoides, flavonoides e terpenos. A maior ingestão de frutas está associada à redução do risco de cânceres, obesidade, doenças neurodegenerativas, hipertensão, entre outras enfermidades. Sendo assim, são essenciais em cardápios saudáveis.

Sucos industrializados (aqueles de caixinha ou pó, ainda piores), por outro lado, não contêm fibras ou compostos bioativos. São adicionados de quantidade excessiva de açúcar (obesogênico e inflamatório) ou de adoçantes artificiais (que podem causar obesidade e enxaquecas). Podem conter corantes, como o de caramelo e a tartrazina, além de outros aditivos químicos, interpretados por nosso organismo como xenobióticos, e assim sendo, geram estresse oxidativo e inflamação. O consumo de bebidas adoçadas está associado a elevação do risco de diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares, entre outras patologias.

Outra opção muito utilizada nos dias atuais é o uso das polpas de frutas, que em geral, não contêm aditivos químicos, o que já se constitui em uma vantagem sobre os sucos de pó ou caixinha. As polpas, porém, são pobres em fibras, que são retiradas ou quebradas por enzimas em seus processamentos. Perdem também algumas vitaminas e compostos bioativos não resistentes ao tratamento térmico que recebem antes de serem ensacadas. Uma dica é não adicionar açúcar ou adoçantes artificiais.

Os sucos naturais das frutas não substituem as frutas in natura, mas certamente superam em benefícios à saúde, os de caixa, pó ou polpa. Bater frutas doces, que não necessitam ser adoçadas, não coar os sucos e combinar com ingredientes como hortaliças, fibras e especiarias pode ser uma ótima ideia. Abacaxi com hortelã, laranja com cenoura, maçã com couve e limão… São infinitas combinações de sucos antioxidantes, destoxificantes, e antiinflamatórios. Lembre-se que líquidos durante as grandes refeições não são boas opções, pois dificultam a digestão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. SILVA, P. J. Escolhas e influências dos consumidores de alimentos na modernidade reflexiva:Um estudo em supermercados. Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Sociologia,Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná. 2006, p. 19-93

2. FERREIRA, S. R. G. Alimentação, nutrição e saúde: avanços e conflitos da modernidade. Cienc Cult; 62(4): 31-33, 2010.

3. BISMARCK-NASR, E. M.; FRUTUOSO, M.F.P.; GAMBARDELLA, A.M.D. Importância nutricional dos lanches na dieta de adolescentes urbanos de classe média. Pediatria (São Paulo); 28(1): 26-32, 2006.

4. GOMES, F. S. Frutas, legumes e verduras: recomendações técnicas versus constructos sociais. Rev Nutr; 20(6): 669-680, 2007.

5. MELO, E. A. et al. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas; 44 (2): 193-198, 2008.

6. III Diretrizes Brasileiras Sobre Dislipidemias e Diretriz de Prevenção da Aterosclerose do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol; 77(3):  1-48, 2001.

7. LUDWIG, D. S.; PETERSON, K. E.; GORTMAKER, S. L. Relation between consumption of sugar-sweetened drinks and childhood obesity: a prospective, observational analysis. Lancet; 8: 357: 505, 2001.

8. FERREIRA, T. S.; CHAFAUZER, C.; ARAÚJO JÚNIOR, F.M.; SILVA, G.B. Obesidade central em jovens. Science in health; 3(2): 61-73, 2012.

9. AXON, A.; MAY, F.E.; GAUGHAN, L.E.; et al. Tartrazine and sunset yellow are xenoestrogens in a new screening assay to identify modulators of human oestrogen receptor transcriptional activity. Toxicology; 298(1-3): 40-51, 2012.

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Frutas oleaginosas como castanhas de caju, nozes, amêndoas e castanhas do Brasil são alimentos ricos em lipídeos de boa qualidade, proteínas, minerais e compostos bioativos. No Brasil, o consumo de oleaginosas é baixo, e quando estas são consumidas, muitas vezes estão em suas versões salgadas, caramelizadas ou fritas em gordura hidrogenada. Quando estão em suas formas naturais, estes alimentos têm efeitos benéficos à saúde humana, o que foi abordado em uma recente reportagem de uma revista sobre dieta e saúde, e será também discutido no presente texto.

A castanha do Brasil, também conhecida como castanha do Pará, é mundialmente famosa por ser a maior fonte alimentar conhecida de selênio: apenas uma castanha por dia é capaz de suprir as necessidades do mineral. O selênio tem grande importância no sistema antioxidante, participando da enzima glutationa peroxidase, responsável por neutralizar espécies reativas de oxigênio. Este mineral em excesso, porém, é tóxico; não sendo assim indicado o consumo de quantidade superior a 02 castanhas por dia. Além do selênio, este alimento é grande fonte de magnésio, cálcio, manganês, potássio e cobre. Possui 63,5g de lipídeos em cada 100g, prevalecendo os lipídeos monoinsaturados, que apresentam benefícios cardiovasculares.

A noz é o fruto da nogueira de nome científico Juglans regia. Também é rica em lipídeos, mas o tipo predominante é o poli-insaturado das séries ômega 6 e 3, em proporção média de 4:1. É uma boa fonte de polifenóis antioxidantes, entre os quais, destaca-se o ácido elágico. O consumo de nozes está relacionado à redução do risco de câncer, doenças cardiovasculares, doenças neurodegenerativas, hiperlipidemias e outras desordens.

A castanha de caju é um alimento rico em proteínas (em média 18g a cada 100g) e lipídeos monoinsaturados. Entre os minerais, é fonte de magnésio, importante para geração e utilização de energia no corpo; zinco, essencial ao sistema antioxidante e ao reparo do DNA; ferro, responsável pela geração de energia e transporte de oxigênio; e potássio, que antagoniza com o sódio regulando a distribuição dos líquidos corpóreos, contribuindo para a redução da pressão arterial. Também contém substâncias antioxidantes como os alquil fenóis.

A amêndoa é grande fonte de fibras, magnésio, cálcio e vitamina E. Seus lipídeos são em maior parte, monoinsaturados, semelhantemente aos do azeite de oliva, abacate e castanhas de caju e do Brasil. Entre as oleaginosas, é a mais rica em vitamina E, importante antioxidante lipossolúvel. Contém quantidades consideráveis de fitoesteróis, que auxiliam a normalização do perfil lipídico. Possui também arginina em sua composição, aminoácido que entre outras funções, é precursor do óxido nítrico, substância vasodilatadora.

São inúmeros os benefícios do consumo de oleaginosas. Porém, deve-se sempre considerar a individualidade bioquímica. Estes alimentos podem causar alergias a alguns indivíduos, ou ainda precipitar episódios agudos de herpes, por terem alto teor de arginina. O estado de conservação também deve ser observado na aquisição destes alimentos. Oleaginosas facilmente são oxidadas ou contaminadas por fungos, e nas duas situações, oferecem riscos à saúde. A presença de sabor ou aroma alterados, ou ainda, de manchas brancas ou escuras, sinaliza deterioração. Assim, sempre procure orientação de um nutricionista para incluir as oleaginosas em sua alimentação diária.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. 4ª edição revisada e ampliada. Campinas – SP.

2. CARVALHO, I.M.M.; QUEIROZ, J.H.; BRITO, L.F.; et al. O consumo de castanhas pode reduzir o risco de processos inflamatórios e doenças crônicas. Enciclopédia da Biosfera; Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.8, n.15, 2012.

3. PACHECO, A.M.; SCUSSEL, V.M. Selenium and aflatoxin levels in raw Brazil nuts from the Amazon basin. J Agric Food Chem; 55(26): 11087-92, 2007

4. HARDMAN, W.E. Walnuts Have Potential for Cancer Prevention and Treatment in Mice. J Nutr; 2014 Feb 5. doi: 10.3945/jn.113.188466.

5. KRIS-ETHERTON, P.M. Walnuts Decrease Risk of Cardiovascular Disease: A Summary of Efficacy and Biologic Mechanisms. J Nutr; 2014 Feb 5. doi: 10.3945/jn.113.182907

6. HOSSEINI, S.; JAMSHIDI, L.; MEHRZADI, S.; et al. Effects of Juglans regia L. leaf extract on hyperglycemia and lipid profiles in type two diabetic patients: A randomized double-blind, placebo-controlled clinical trial. J Ethnopharmacol; pii: S0378-8741(14)00058-0, 2014.

7. CASAS-AGUSTENCH, P.; BULLÓ, M.; SALAS-SALVADÓ, J. Nuts, inflammation and insulin resistance. Asia Pac J Clin Nutr; 19(1): 124-30, 2010.

8. BUCHANAN, S. Rancid nuts. Br Dent J; 210(9):398, 2011.

9. KEW, M.C. Aflatoxins as a cause of hepatocellular carcinoma. J Gastrointestin Liver Dis; 22(3):305-10, 2013

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Em Janeiro, o site da revista Exame publicou uma matéria com o seguinte título: “Homem perde 17 quilos comendo só McDonald’s por 3 meses - Equilibrando nutrientes e fazendo exercícios, professor americano mostrou que é possível ser saudável mesmo consumindo apenas fast-food”. Com uma foto de um dos sanduíches mais famosos do mundo, e outra imagem com o antes e o depois da dieta com produtos da conhecida rede de fast-food, a matéria inicia chamando a atenção dos leitores ao dizer que o professor de ciências americano John Cisna, da cidade de Ankenky (Iwoa, Estados Unidos), provou que, para ser saudável, uma alimentação equilibrada juntamente com a prática de exercícios físicos é o suficiente, mesmo com o consumo diário de fast-food. O experimento, que virou documentário, foi conduzido pelo professor com o auxílio de 3 alunos, sendo caracterizado por um programa nutricional com duração de 3 meses, incluindo 3 refeições diárias totalizando até 2000 calorias (relatado que a quantidade de macronutrientes foi próxima à recomendada por médicos e nutricionistas). O professor consumiu apenas produtos da rede de fast-food, como saladas, sorvete, batatas fritas e sanduíches, e iniciou a prática diária de caminhada com duração de 45 minutos, alterando sua rotina sedentária. Ao final do estudo, o professor obteve redução de, aproximadamente, 17kg, juntamente com diminuição dos níveis de colesterol total e frações.

Algumas indagações importantes devem ser levantadas: É possível uma dieta ser considerada equilibrada com produtos de fast-food consumidos 3 vezes ao dia? Como eram os hábitos alimentares do professor antes do início do estudo? Quão maior era o consumo energético? Qual o impacto do início da prática de atividade física sobre os resultados? Também foi considerado o equilíbrio de micronutrientes? Foram avaliadas as possíveis deficiências nutricionais neste período? Além da perda de peso, houve melhora de alguns parâmetros clínicos em 3 meses. Mas em longo prazo, como seria a variação destes resultados?

Assim, podemos verificar que diversos dados da metodologia do estudo não foram expostos ou não foram avaliados, sendo, assim, insuficientes para justificar adequadamente a interpretação dos resultados apresentados pela matéria, gerando dúvidas se os mesmos persistirão ao longo do tempo e quais as consequências adversas em longo prazo.

Neste sentido, é possível encontrar na literatura científica alguns estudos que avaliaram os efeitos do consumo de fast-food por um maior período de acompanhamento, como uma pesquisa publicada pelo European Journal of Clinical Nutrition, que investigou a ocorrência de síndrome metabólica (combinação de fatores de risco para doenças cardiovasculares) como consequência do consumo de fast-food, após 3 anos de seguimento. A pesquisa, realizada com 1476 adultos iranianos com idade entre 19 e 70 anos, encontrou que o maior consumo de fast-food foi correlacionado com maior risco para síndrome metabólica, elevação nos níveis séricos de triglicerídeos e da relação triglicerídeos/HDL, maior relação cintura/quadril e menor consumo de alimentos ricos em fitoquímicos ou fibras.

Resultados semelhantes foram evidenciados em outro estudo, que avaliou dados de 1944 adultos durante 2 anos. Foi observado que a ingestão de fast-food se relacionou significativamente com redução na ingestão de vegetais, frutas, carotenoides, fibras, ácido fólico e cálcio; maior IMC, circunferência de cintura e níveis sanguíneos de triglicerídeos; e maior risco para formação de placas de ateroma, indicando que o consumo deste tipo de alimentação pode ser relacionado a uma ingestão dietética de baixa qualidade e a fatores de risco cardiovascular.

Reforçando estes resultados, outras pesquisas publicadas em revistas científicas, que também envolveram diversos participantes, encontraram que a ingestão habitual de fast-food pode ocasionar aumento de peso, estresse oxidativo, baixa ingestão de frutas e vegetais, deficiências nutricionais, aumento de gordura abdominal e elevação dos níveis de insulina e glicose sanguíneos.

Assim, conseguimos verificar a complexidade que envolve o consumo deste tipo de alimentação, que pode oferecer diversos riscos à saúde, como doenças crônicas não transmissíveis, que incluem hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e até mesmo câncer. Portanto, dietas focalizadas apenas no consumo de calorias para o emagrecimento possuem baixa qualidade nutricional, sendo ricas em gorduras, açúcares e aditivos químicos e pobres em vitaminas, minerais e compostos bioativos, os quais são essenciais para o bom funcionamento do organismo e, consequentemente, para a perda de peso e prevenção de doenças.

Além disso, já foi mostrado em estudos científicos que o total de calorias consumidas e utilizadas pelo corpo não é o único fator capaz de regular o peso ou a concentração de gordura corporal. Fatores genéticos, hormonais e gastrointestinais exercem um papel fundamental na manutenção da saúde e do peso e sabe-se que todos estes fatores podem ser modulados pela alimentação, de forma positiva ou negativa.

A atividade física também pode exercer um importante impacto sobre a composição corporal, pois influencia diretamente o gasto de energia diário. Um estudo mostrou que a prática de atividade física em indivíduos sedentários ocasionou redução de gordura visceral e melhora da sensibilidade à insulina independentemente da restrição de calorias.  Outro estudo encontrou que a prática de atividade física pode auxiliar na perda de peso e na aderência à dietas com restrição de calorias. Em mulheres sedentárias na pós-menopausa, a prática de caminhada sem mudanças na dieta possibilitou melhora na composição corporal. Já idosos obesos sedentários que iniciaram a prática de atividade física apresentaram maior perda de gordura corporal em relação aos que permaneceram sedentários. Dessa forma, considerando os malefícios dos produtos de fast-food já apresentados anteriormente, seria possível que os resultados obtidos pelo professor sejam, em parte, uma consequência desta mudança em sua rotina sedentária.

Portanto pode-se concluir que a matéria em questão teve forte apelo à possibilidade de perda de peso com o consumo de fast-food, o que pode induzir o leitor a acreditar que com este tipo de alimentação, juntamente com a prática de atividade física, é possível reduzir o peso corporal de maneira saudável. Todavia, não foram considerados os diversos e importantes contrapontos envolvidos. Temos que ter muita cautela com notícias de alimentação e saúde publicadas nos diferentes meios de comunicação, pois não existem dietas milagrosas, mas sim, planos alimentares individualizados elaborados por nutricionistas, que, seguidos com determinação e objetividade, proporcionam o equilíbrio do organismo e a perda de peso com saúde plena.

Referências bibliográficas

BAHADORAN, Z.; MIRMIRAN, P.; HOSSEINI-ESFAHANI, F. et al. Fast food consumption and the risk of metabolic syndrome after 3-years of follow-up: Tehran Lipid and Glucose Study. Eur J Clin Nutr; 67(12):1303-9, 2013.

BAHADORAN, Z.; MIRMIRAN, P.; GOLZARAND, M. et al. Fast food consumption in Iranian adults; dietary intake and cardiovascular risk factors: Tehran Lipid and Glucose Study. Arch Iran Med; 15(6):346-51, 2012.

DEVARAJ, S.; WANG-POLAGRUTO, J.; POLAGRUTO, J. et al. High-fat, energy-dense, fast-food-style breakfast results in an increase in oxidative stress in metabolic syndrome. Metabolism; 57(6):867-70, 2008.

WHITTON, C.; MA, Y.; BASTIAN, A.C. et al.Fast-food consumers in Singapore: demographic profile, diet quality and weight status. Public Health Nutr; 2:1-9, 2013.

RAMEL, A.; GUDMUNDSDOTTIR, F.D.; THORSDOTTIR, I. Effects of two different types of fast food on postprandial metabolism in normal and overweight subjects. Eur J Clin Nutr;  66(11):1193-8, 2012.

KRUGER, D.J.; GREENBERG, E.; MURPHY, J.B. et al. Local Concentration of Fast Food Outlets Is Associated with Poor Nutrition and Obesity. Am J Health Promot; 2013.

LEE, S.; DELDIN, A.R.; WHITE, D. et al. Aerobic exercise but not resistance exercise reduces intrahepatic lipid content and visceral fat and improves insulin sensitivity in obese adolescent girls: a randomized controlled trial. Am J Physiol Endocrinol Metab; 305(10):E1222-9, 2013.

DELANY, J.P.; KELLEY, D.E.; HAMES, K.C. et al. Effect of physical activity on weight loss, energy expenditure, and energy intake during dietinduced weight loss. Obesity (Silver Spring); 2013.

WILCOX, S.; SHARPE, P.A.; TURNER-MCGRIEVY, G. et al. Frequency of consumption at fast-food restaurants is associated with dietary intake in overweight and obese women recruited from financially disadvantaged neighborhoods. Nutr Res;  33(8):636-46, 2013.

DI BLASIO, A.; DI DONATO, F.; MASTRODICASA, M. et al. Effects of the time of day of walking on dietary behaviour, body composition and aerobic fitness in post-menopausal women. J Sports Med Phys Fitness; 50(2):196-201, 2010.

SJÖGREN, P.; SIERRA-JOHNSON, J.; KALLINGS, L.V. et al. Functional changes in adipose tissue in a randomised controlled trial of physical activity. Lipids Health Dis; 11:80, 2012.

 *Texto elaborado pelo departamento científico da VP Consultoria Nutricional

Originário da região norte brasileira, o fruto da palmeira de nome científico Euterpe oleracea popularizou-se em todo o território nacional nas formas de sucos, polpas, sorvetes e tigelas. O açaí é venerado por quem busca ganho de massa muscular, por ser considerado um alimento “energético”, mas por outro lado, é temido por muitos, devido a sua elevada densidade calórica. Uma análise mais aprofundada das propriedades nutricionais desta fruta nos permite concluir que esta possui benefícios até para quem busca perda ponderal, afinal, densidade energética não é a única nem a principal característica do alimento que o torna obesogênico ou não. O açaí é extremamente antioxidante, propriedade que o torna útil na prevenção de cânceres. Esta característica foi explorada recentemente em reportagem de uma revista de grande circulação no Brasil.

As polpas de açaí congeladas comercializadas no Brasil possuem em média, em cada cem gramas, 0,8g de proteínas, 3,9g de lipídios, 6,2g de carboidratos e 2,6g de fibras. Dos lipídios, prevalece o ácido graxo monoinsaturado oleico, o mesmo encontrado no azeite de oliva e associado à cardioproteção. Por ser rico em lipídios e fibras e pobre em carboidratos se comparado a outras frutas, o açaí possui baixos índice e carga glicêmica, ou seja: sua ingestão não causa picos de glicemia e insulinemia, associados a aumento de gordura corporal e do risco de doenças crônicas não transmissíveis.

Entre os micronutrientes presentes no açaí, destacam-se a vitamina E (importante antioxidante) e minerais, como manganês (também antioxidante e importante para a saúde óssea), magnésio (essencial à geração e utilização de energia no corpo), cálcio (que age na contração muscular, transmissão do impulso nervoso e na formação dos ossos) e cromo (necessário para uma boa atuação do hormônio insulina). Apesar de não ser grande fonte de ferro, o açaí possui propriedades antianêmicas, talvez por reduzir a inflamação e por consequência, aumentar a disponibilidade de ferro para formação de hemoglobina.

O açaí é extremamente rico em compostos fenólicos que possuem atividade antioxidante e anti-inflamatória. Entre esses compostos, prevalecem as antocianinas, responsáveis pela cor escura da fruta. Devido à abundância dessas substâncias, pesquisas científicas têm associado o consumo de açaí a prevenção de câncer, doenças cardiovasculares,  processos alérgicos, doenças neurodegenerativas e aumento da longevidade. Ao contrário do que é pregado, por seu alto teor calórico, o açaí tem demonstrado ser uma boa opção para indivíduos obesos ou com sobrepeso. Em uma pesquisa, 10 adultos com sobrepeso consumiram açaí diariamente por um mês, e tiveram reduzidos, os níveis de insulina e glicemia de jejum, glicemia pós-prandial e LDL-colesterol.

Com base em dados científicos, podemos abrir mão de “dogmas” que permeiam a nutrição, como o que afirma que alimentos calóricos são necessariamente causadores de obesidade e doenças a esta relacionada. O consumo de açaí deve ser encorajado, inclusive entre indivíduos obesos ou com sobrepeso, desde que inserido em uma dieta individualizada, nutricionalmente balanceada e orientada por nutricionista. As tradicionais tigelas de açaí congeladas (sem xarope de guaraná ou leite condensado) são opções saudáveis e prazerosas para este verão.

REFERÊNCIAS:

1. UDANI, J.K.; SINGH, B.B.; SINGH, V.J.; BARRETT, M.L. Effects of Açaí (Euterpe oleracea Mart.) berry preparation on metabolic parameters in a healthy overweight population: a pilot study. Nutr J; 10:45, 2011.

2. WONG, D.Y.; MUSGRAVE, I.F.; HARVEY, B.S.; SMID, S.D. Açaí (Euterpe oleraceae Mart.) berry extract exerts neuroprotective effects against β-amyloid exposure in vitro. Neurosci Lett; 556: 221-6, 2013.

3. DA COSTA, C.A.; DE OLIVEIRA, P.R.; DE BEM, G.F.; et al. Euterpe oleracea Mart.-derived polyphenols prevent endothelial dysfunction and vascular structural changes in renovascular hypertensive rats: role of oxidative stress. Naunyn Schmiedebergs Arch Pharmacol; 385 (12): 1199-209, 2012.

4. FRAGOSO, M.F.; PRADO, M.G.; BARBOSA, L.; et al. Inhibition of mouse urinary bladder carcinogenesis by açai fruit (Euterpe oleraceae Martius) intake. Plant Foods Hum Nutr; 67 (3): 235-41, 2012.

5. HORIGUCHI, T.; ISHIGURO, N.; CHIHARA, K.; et al. Inhibitory effect of açaí (Euterpe oleracea Mart.) pulp on IgE-mediated mast cell activation. J Agric Food Chem; 59(10): 5595-601, 2011.

6. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. 4ª edição revisada e ampliada. Campinas – SP.

7. SILVEIRA, V.M.; MANHÃES, L.R.T.; BOAVENTURA, G.T.; SABAA-SRUR, A.U.O. Efeito da Polpa de Açaí (Euterpe oleracea, Mart) na Reversão de Anemia em Ratos (Rattus norvegicus) Wistar var. Albinus. Rev. de Ci. Vida. Seropédica; 30(2): 15-27, 2010.

8. GUERRA, J.F.; MAGALHÃES, C.L.; COSTA, D.C.; et al. Dietary açaí modulates ROS production by neutrophils and gene expression of liver antioxidant enzymes in rats. J Clin Biochem Nutr; 49 (3): 188-94, 2011.

* Texto elaborado pelo depto. científico da VP Consultoria Nutricional

Não é nenhuma grande novidade que a quantidade de comida que uma pessoa ingere em uma refeição é um critério fundamental para saber como ela se sentirá depois que terminar de comer. Se ela fizer um prato contendo um quilo de comida rica em gordura, certamente o resultado será uma sensação de inchaço e desconforto.

No entanto, algumas horas depois da refeição, se lembrar do que você comeu é tão importante quanto a refeição propriamente dita. É sabido que pessoas que se distraem demasiadamente enquanto estão se alimentando não formam memórias suficientes sobre o que comeram e acabam se condicionando a uma fome irregular durante o período pós-refeição.

Uma matéria publicada recentemente na revista Corpo a Corpo, traz a seguinte chamada: Refeição que rende. A matéria coloca que existem pontos positivos e negativos em almoçar sozinho em frente ao computador e que essa prática não traz tanto prejuízo à saúde, pois pode aumentar a concentração e a capacidade de solucionar problemas, aumentar a memória e produtividade. Mas o que isso tem a ver com saúde?

Dentre os pontos negativos em se comer em frente ao computador citados na matéria estão diminuição do relaxamento, sociabilidade e saciedade. A importância de se manter refeições em família, principalmente entre crianças e adolescentes, vem sendo fortemente estudada e as pesquisas afirmam que o ato de se alimentar em família está frequentemente associado com uma melhor ingestão alimentar, incluindo maior consumo de grãos, frutas, vegetais, vitaminas e minerais, bem como uma diminuição da ingestão de bebidas alcoólicas.

Com relação ao relaxamento, sabemos que quando não relaxamos aumentamos a secreção de alguns hormônios, tais como adrenalina e cortisol, que podem influenciar de maneira negativa a forma como aproveitamos os nutrientes da refeição.

A saciedade também fica prejudicada, pois a pessoas tendem a não prestar atenção ao que e quanto está comendo enquanto ficam em frente ao computador. Nesse sentido, pesquisas tem demonstrado que essa prática leva a um maior consumo de alimentos nas refeições seguintes. Isso provavelmente acontece porque quando comemos inconscientemente, o nosso cérebro não registra o ato da refeição, acabando por estimular a compulsão e uma maior ingestão de alimentos. Portanto, o ideal é estimular as refeições à mesa, em ambientes tranquilos, sem televisão e computador, promovendo assim hábitos de vida saudáveis e melhorando a qualidade da refeição e consequentemente melhorando a qualidade de vida!

Referências Bibliográficas

1. EISENMANN, J.C.; BARTEE, R.T.; WANG, M.Q. Physical activity, TV viewing, and weight in U.S. youth: 1999 Youth Risk Behavior Survey. Obes Res; 10(5): 379-85, 2002.

2. FELDMAN, S.; EINSENBERG, M.E.; NEUMARK-SZTAINER, D.; STORY, M. Associations between Watching TV during Family Meals and Dietary Intake Among Adolescents. J Nutr Educ Behav; 39:257-263, 2007.

3. KAUR, H.; CHOI, W.S.; MAYO, M.S.; HARRIS, K.J. Duration of television watching is associated with increased body mass index. J Pediatr; 143(4): 506-11, 2003.

4. MENDONZA, A.J.; ZIMMERMAN, F.J.; CHRISTAKIS, D.A. Television viewing, computer use, obesity, and adiposity in US preschool children. Int J Behav Lei Phys Nutr Activity; 44(4); 2007.

5. TEMPLE, J.L.; GIACOMELLI, A.M.; KENT, K.M.; et al. Television watching increases motivated responding for food and energy intake in children. Am J Clin Nutr; 85(2): 355-361, 2007.

6. VIK, F.N.; BJORNARA, H.B.; OVERBY, N.C.; et al. Associations between eating meals, watching TV while eating meals and weight status among children, ages 10–12 years in eight European countries: the ENERGY cross-sectional study. Int J Behav Lei Phys Nutr; 10:58, 2013.

Texto elaborado pelo depto. Científico da VP Consultoria Nutricional

Alimentação, saúde, bem-estar e corpo perfeito. Muitos são os sites da internet, blogs e revistas falando sobre emagrecer de variados modos e utilizando de inúmeras estratégias da moda, a fim de reduzir os quilos extras na balança. Matérias e dicas de nutrição são divulgadas em todos os meios de comunicação, principalmente na internet através das redes sociais. Isto faz com que a população cada dia apenas busque informações soltas, muitas vezes sem embasamento cientifico, outras vezes vinculadas a marcas de produtos que sem querer ou não buscam apenas a venda de ideias. Ou seja, somos bombardeados por informações nutricionais todos os dias desvinculadas de análise crítica e muitas vezes nos tornamos nutricionistas e médicos de nós mesmos. Ai que mora o perigo. Vender ideias é muito fácil, mas será que adquirir corpo perfeito a qualquer custo realmente é o caminho da saúde? Ou será que algumas destas dicas nutricionais que fazem reduzir peso de forma rápida prejudicam nossa saúde em longo prazo?

Inúmeras matérias têm saído na internet sobre como emagrecer ou perder a barriguinha tão indesejada. Dieta dos pontos, da proteína, zero carboidratos, do tipo sanguíneo, da sopa, das frutas, dos sucos, do limão, entre outras. Cinco, dez, vinte alimentos no controle do peso ou para secar o abdômen. Alimentos no controle da pressão arterial, alimentos no combate ao câncer. Se pararmos para analisar, a cada dia apenas são vendidas mais informações nutricionais, ou seja, cabe aos consumidores exigir a informação correta e aos nutricionistas esclarecer o que é mito ou verdade.  Pois se formos considerar realmente, equilíbrio é tudo, e não serão cinco alimentos específicos que vão combater o câncer e sim todo um hábito alimentar saudável por anos, atividade física e estilo de vida como um todo. A nutrição ajuda sim e é grande aliada da saúde, mas necessitamos sempre de cautela, dose certa e diversificar os alimentos na nossa alimentação.

Neste contexto, em uma breve circulada pela internet é possível ver uma série destas notícias que devem ser melhor esclarecidas. Em uma matéria publicada na revista Saúde mostra uma pesquisa realizada na Universidade de Lund, na Suécia, onde averiguou que uma proteína chamada Lfcin4-14 (encontrada do leite), desacelera o crescimento de células cancerosas do cólon. Pesquisadores observaram, após exposição de células danificadas desta porção do intestino à tal proteína, que as mesmas reduziram seus prejuízos, sugerindo um possível efeito protetor contra os danos no DNA celular.

Por outro lado, algumas dúvidas podem permear esta questão, por exemplo, a proteína isolada in vitro pode sim fazer efeito na progressão deste tipo de câncer, mas supor que os produtos com leite também estariam fazendo este efeito como chama a matéria divulgada é outro caminho a se averiguar especificamente.

Ao analisar algumas pesquisas realizadas nos últimos anos observou-se uma relação contrária do mesmo na progressão do câncer, o que deve ser levado em consideração. Portanto, investigar antes de levar a informação adiante é imprescindível nos dias atuais. Alguns estudos tem mostrado relação de aumento do risco de câncer de próstata com o aumento do consumo de leite. Americanos averiguaram que esta relação modificava-se com o tipo de produto utilizado, sendo que o leite desnatado foi associado a um maior risco de câncer de próstata não agressivo, e seu produto integral a um aumento de mortalidade, ou seja, após diagnóstico o mesmo parecia intensificar a progressão do mesmo. Para incrementar ainda mais esta informação, a Harvard School apresentou a publicação de um guia chamado Healthy Eating Plate, onde orienta a redução de lacticínios da alimentação. O leite de vaca é verificado na prática clínica ser um alimento altamente alergênico, além de ser frequentemente relacionado à constipação, refluxo gastroesofágico, problemas de pele (eczema), sinusite, enxaquecas e dores nas articulações. A mesma publicação relata a importância do consumo de vegetais verde escuros, grãos e leguminosas a fim de suprir as necessidades nutricionais de cálcio, fontes estas de qualidade na alimentação. Porém esta informação também foi alvo das redes sociais, onde vinculou-se que a mesma instituição orientava a remoção dos leite e derivados da alimentação e não a redução. Se ele deve ou não ser inserido na alimentação, cabe aos profissionais e seus pacientes averiguarem juntos, mas que a informação repassada deve ser a mais íntegra possível, não há dúvidas que temos que começar a ser mais cautelosos.

O site Terra publicou um relato de uma jovem adolescente de 90kg que após deixar de comer bolacha recheada perdeu 35kg. Estes alimentos doces definidos como palatáveis favorecem a alimentação passiva, ganho de peso e aumentam a predisposição a obesidade, uma vez que apresentam baixo valor nutricional, teores muitas vezes elevados de gordura e sacarose, ou seja, não há duvidas que estes alimentos fazem mal a saúde. Alguns estudos sugerem que a ingestão intermitente isolada de alimentos palatáveis poderia desencadear compulsão alimentar por alimentos hiperglicídicos e hiperlipídicos e uma alteração na resposta neuronal de recompensa central, mecanismo este semelhante ao que ocorre em indivíduos viciados em drogas. Entretanto, o que vale ressaltar é que a retirada da bolacha recheada sozinha sem equilibrar o restante da alimentação não faria a redução do peso como relatado na matéria. A inserção de alimentos saudáveis, a retirada destes e outros alimentos ricos em gordura e açúcar, aliado a atividade física é que realmente podem trazer os resultados observados. Ou seja, mais uma vez a mídia utilizada da sua força de impacto para chamar a atenção a um produto específico, seja ele bom ou ruim, mas fazendo o consumidor focar em uma ideia e não no equilíbrio nutricional como um todo.

Uma matéria publicada na revista Dieta Já, disponível na internet faz menção a “Dieta da Goji” que emagrece dois quilos por semana. Do mesmo modo, o programa Mais Você anunciou os inúmeros benefícios da Goji Berry no que se refere ao potencial efeito antioxidante desta frutinha vermelha, podendo ajudar no emagrecimento, pois queima gordura com mais facilidade, além de melhorar o sono e o humor.

Em relação à parte científica, atualmente esta fruta tem sido foco de pesquisas realizadas em países ocidentais e europeus devido ao seu potencial efeito antioxidante. Além disso, estudos tem demonstrado que a Goji parece ser hepatoprotetora, além de mediar inibindo o sistema renina/angiotensina, que pode estar relacionado ao tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Pesquisadores também tem apresentado possível relação destas frutas no controle glicêmico, efeito anti-apoptótico, além de aumentar os níveis de zeaxantina, benéfica no tratamento de degeneração macular relacionada à idade. Composta por 18 aminoácidos diferentes, dentre eles a taurina, a Goji tem sido estudada como importante agente terapêutico nas complicações do diabetes tipo II, além de inibir a ativação da caspase-3 em cardiomiócitos isquêmicos. Que a Goji realmente possui propriedades terapêuticas por meio do seu poder antioxidante e imunomodulador não há dúvidas, mas responsabilizar ela totalmente por uma perda de peso de dois quilos por semana, é necessário um pouco mais de cautela. Inserir a mesma na alimentação por seu valor nutricional inquestionável, assim como as outras berries é sim estratégia valiosa a saúde e deve ser considerada.

Muitos são as matérias publicadas todos os dias, sem contar com as inúmeras dicas e cardápios padronizados orientados muitas vezes por profissionais nutricionistas, médicos ou mesmo educadores físicos. O mínimo de coerência, análise crítica e discernimento devem ser considerados, porque equilíbrio alimentar e nutricional é fundamental para melhora da saúde como um todo, independente de cada objetivo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOGGIANO, M.M; et al. Combined dieting and stress evoke exaggerated responses to opioids in binge-eating rats. Behav Neurosci. 119: 1207-1214, 2005.

DE CASTRO, J.M; et al. Palatability and intake relationships in free-living humans: characterization and independence of influence in north americans. Physiol Behav. 70: 343-350, 2000.

GAN, L; ZHANG, S. H; YANG, X. L; XU, H B. Immunomodulation and antitumor activity by a polysaccharide-protein complex from Lycium barbarum. Int Immunopharmacol. 1: 563-569, 2004

Healthy Eating Plate. Disponivel em: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/healthy-eating-plate/ Acesso em: 05 de abril de 2013

KELLEY, A.E; et al. Restricted daily consumption of a highly palatable food (chocolate ensure) alters striatal enkephalin gene expression. Eur J Neurosci. 18:  2592-2598, 2003.

LI, X.L; ZHOU, A.G. Evaluation of the antioxidant effects of polysaccharides extracted from Lycium barbarum. Med Chem Res. 15: 471-482, 2007

POTTERAT, O. Goji (Lycium barbarum and L. chinense): Phytochemistry, Pharmacology and Safety in the Perspective of Traditional Uses and Recent Popularity. Planta Med. 76 (1): 7-19, 2010

POTTERAT, O; HAMBURGER,  M. Goji juice: a novel miraculous cure for longevity and well being? A review of composition, pharmacology, health-related claims and benefits. Schweiz Zschr Ganzheitsmedizin. 20: 399-405, 2008

SONG, Y. CHAVARRO, J.E; QIU, W; MUCCI, L; SESSO, H.D; STAMPFER, M.J. et al. Whole milk intake is associated with prostate cancer-specific mortality among U.S. male physicians. J Nutr. 143 (2): 189-196, 2013

Texto elaborado pelo depto. Científico da VP Consultoria Nutricional

A Síndrome pré-menstrual (SPM) é um distúrbio comum entre as mulheres durante a fase reprodutiva. Cerca de 90% das mulheres relatam ter um ou mais sintomas, que podem variar a cada ciclo menstrual, assim como a intensidade. Ela provoca alterações comportamentais, emocionais, cognitivas e físicas, comprometendo o relacionamento no ambiente familiar, social, escolar e profissional. Estas se manifestam principalmente na semana que precede a menstruação, desaparecendo alguns dias após o aparecimento do fluxo menstrual. Cerca de 5-10% das mulheres sofrem de severa síndrome pré-menstrual e 30-40% apresentam sintomas moderados.

Os sintomas mais comuns da SPM se dividem entre somáticos (irritabilidade, alterações de humor, comportamento depressivo, impulsividade, aumento de apetite, desejo por doce e confusão mental) e físicos (fadiga, mastalgia, edema abdominal, lombalgia, insônia, aumento de peso temporário, enxaqueca, presença de edema nas extremidades, constipação intestinal e diarreia). A sintomatologia é provavelmente multifatorial. Existe diferença entre a síndrome pré-menstrual e a desordem disfórica pré-menstrual sendo, a segunda, diferenciada pela severidade dos sintomas e com predominância de sintomas emocionais e disfunções, particularmente, nas relações pessoais e de domínio marital e familiar.

Diversos autores relacionam alguns fenômenos relacionados à ocorrência da SPM com desequilíbrio entre estrógeno e progesterona, excesso de prolactina, deficiência das vitaminas E e B6,  deficiência de minerais, alteração na atividade de prostaglandinas e na ação da endorfina e serotonina.

Há diversas estratégias de tratamento com o objetivo de amenizar ou eliminar os sintomas, muitas já em discussão. Um dos tratamentos, sendo este não medicamentoso, consiste em alterações comportamentais, repouso adequado, prática de atividades físicas, atividades relaxantes, terapia cognitiva e mudanças nos hábitos alimentares, as quais devem ser comumente utilizadas. O tratamento medicamentoso utiliza diuréticos, antidepressivos, ansiolíticos e supressores da ovulação, que devem ser usados somente em mulheres com sintomas persistentes ou que apresentem a síndrome disfórica pré-menstrual.

O aumento no consumo energético e maior preferência por carboidratos são mais prevalentes em mulheres com a SPM, mais sensíveis às variações do ciclo hormonal e de neurotransmissores. Estudos observam maior consumo energético e de todos os macronutrientes, principalmente lipídios e carboidratos, em mulheres com SPM durante a fase pré-menstrual. Na fase lútea, a ingestão aumentada de carboidratos pode ser explicada pela diminuição dos mediadores de serotonina nessa etapa do ciclo menstrual. A ingestão de carboidratos leva a uma cascata de reações, resultando em um aumento na síntese de serotonina e a melhora do humor. É importante lembrar que se deve priorizar o consumo de carboidratos integrais, pois o consumo de carboidrato simples tem sido associado com edema, fadiga e distúrbios de humor. Desta forma, é interessante que mulheres com SPM façam refeições fracionadas e ricas em carboidratos integrais.

Muitos estudos científicos indicaram efeitos benéficos de alguns nutrientes específicos, seja adquirido pela alimentação ou na forma de suplemento. Dentre eles estão a vitamina E, vitamina B6, magnésio, cálcio, manganês, ácidos graxos de cadeia longa e as isoflavonas. Ainda, mostram resultados positivos, quando se trata da ação sinérgica entre esses nutrientes. Os efeitos benéficos se dão pela redução significativa de sintomas, tais como ansiedade, tensão nervosa, alterações de humor, irritabilidade, depressão, enxaqueca e retenção de líquido. Além da relação com esses nutrientes, estudos também observaram que mulheres que praticam atividade física sentem menos sintomas do que as inativas.

Quanto ao consumo de alguns alimentos, como sal, açúcar, cafeína, produtos lácteos e álcool, este deve ser reduzido para auxiliar na diminuição da retenção de líquidos (consumo excessivo de sódio), irritabilidade (consumo excessivo de cafeína) e cólicas.

Desta forma, verificamos a importância da mudança de comportamento e estilo de vida, assim como o acompanhamento nutricional individualizado para garantir a nutrição e o funcionamento adequado do organismo, para minimizar os sintomas da SPM.

Referências Bibliográficas

1. AZEVEDO, L.; MARTINO, H.S.D.; CARVALHO, F.G. et al. Estimativa da ingestão de ferro e vitamina C em adolescentes no ciclo menstrual. Ciência & Saúde Coletiva: 15(Supl. 1): 1359-1367,  2010

2. BARBOSA, S.R.; LIBERALI, R.; COUTINHO, V.F. Relação dos aspectos nutricionais na tensão pré-menstrual (TPM): Revisão sistemática. Rev Bras de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento; 4(19): 31-38, 2010.

3. BERTONE-JOHNSON, E.R.; HANKINSON, S.E.; BENDICH, A. et al. Calcium and Vitamin D Intake and Risk of Incident Premenstrual Syndrome . Arch Intern Med; 165: 1246-1252, 2005

4. BRYANT, M.; TRUESDALE, K.P.; DYE, L. Modest changes in dietary intake across the menstrual cycle: implications for food intake research. Br J Nutr; 96(5): 888-894, 2006.

5. BRYANT, M.; CASSIDY, A.; HILL, C. et al. Effect of consumption of soy isoflavones on behavioural, somatic and affective symptoms in women with premenstrual syndrome. Br J Nutr; 93(5):731-739, 2005

6. DICKERSON, L.M.; MAZYCK, P.J.; HUNTER, M.H. Premenstrual syndrome. Am Fam Physician; 67(8): 1743-1752, 2003

7. FACCHINETTI, F.; SANCES, G.; BORELLA, P. et al. Magnesium prophylaxis of menstrual migraine: effects on intracellular magnesium. Headache; 31(5): 298-301, 1991

8. FACCHINETTI, F.; BORELLA, P.; SANCES, G. et al. Oral magnesium successfully relieves premenstrual mood changes. Obstet Gynecol; 78(2): 177-181, 1991

9. JURGENS, T.; WHELAN, A,M. Advising patients on the use of natural health products to treat premenstrual syndrome. C P J / R P C; 142(5), 2009

10. KASHANIAN, M.; MAZINANI, R.; JALALMANESH, S. Pyridoxine (vitamin B6) therapy for premenstrual syndrome. Int J Gynaecol Obstet; 96(1):43-4, 2007.

11. KIM, H.W.; KWON, M.K.; KIM, N.S. et al. Intake of dietary soy isoflavones in relation to perimenstrual symptoms of Korean women living in the USA. Nurs Health Sci.; 8(2): 108-113, 2006

12. LONDON, R.S.; MURPHY, L.; KITLOWSKI, K.E. et al. Efficacy of alpha-tocopherol in the treatment of the premenstrual syndrome. J Reprod Med.; 32(6): 400-404, 1987

13. MURAMATSU, C.H.; VIEIRA, O.C.S.; SIMÕES, C.C. et al. Consequências da síndrome da tensão pré-menstrual na vida da mulher. Rev Esc Enferm USP;  35(3): 205-213. 205, 2001

14. OZISIK, H.I.; KAMISLI, O.; KARLIDAG, R. et al. Sympathetic skin response in premenstrual syndrome. Clin Auton Res; 15(3):233-7, 2005.

15. SAMPAIO, H.A.C. Aspectos nutricionais relacionados ao ciclo menstrual. Rev. Nutr; 15(3): 309-317, 2002

16. SHAMBERGER, R.J. Calcium, Magnesium, and other elements in the red blood cells and hair of normals and patients with premenstrual syndrome. Biological Trace Element Research; 94: 123-129, 2003

17. SOUZA, M.C.; WALKER, A.F.; ROBINSON, P.A. et al. A synergistic effect of a daily supplement for 1 month of 200 mg magnesium plus 50 mg vitamin B6 for the relief of anxiety-related premenstrual symptoms: a randomized, double-blind, crossover study. J Womens Health Gend Based Med;  9(2): 131-139, 2000

18. THYS-JACOBS, S.; STARKEY, P.; BERNSTEIN, D. et al. Calcium carbonate and the premenstrual syndrome: effects on premenstrual and menstrual symptoms. Premenstrual Syndrome Study Group. Am J Obstet Gynecol; 179(2): 444-452, 1998

19. VENTSKIVS’KA, I.B.; SENCHUK, A.I.A. Role of magnesium in the pathogenesis of premenstrual disorders. Lik Sprava; (8):62-5, 2005.

20. WALKER, A.F.; SOUZA, M.C.; ABEYASEKERA, S. et al. Magnesium supplementation alleviates premenstrual symptoms of fluid retention. J Womens Health, 7(9):1157-1165, 1998

21. WARD, M.W.; HOLIMON, T.D.  Calcium treatment for premenstrual syndrome. Ann Pharmacother; 33(12):1356-1358, 1999

22. WYATT, K.M.; DIMMOCK, P.W.; JONES, P.W. et al. Efficacy of vitamin B­6 in the treatment of premenstrual syndrome: systematic review. BMJ; 318: 1375-1381, 1999